Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Capa

Nobel de Literatura vai para o músico Bob Dylan

O Prêmio Nobel de Literatura foi atribuído, esta quinta-feira, ao músico norte-americano Bob Dylan, anunciou a Real Academia Sueca, em Estocolmo.

Bob Dylan, 75 anos, foi o escolhido este ano por ter criado novas formas de expressão poéticas no quadro da grande tradição da música americana, explicou a Academia Sueca.

Numa curta entrevista após anunciar o premiado, a secretária permanente da Academia Sueca, Sara Danius, explicou que Bob Dylan mereceu o prêmio por ser “um grande poeta na grande tradição poética inglesa”.

“Ele encarna essa tradição”, disse a responsável, lembrando que há 54 anos que o cantor, poeta e compositor se reinventa, criando novas identidades.

Instada a escolher uma canção emblemática do agora Nobel da Literatura, Sara Darius disse que o álbum “Blonde on Blonde”, de 1966, “é um exemplo extraordinário da sua forma brilhante de rimar e do seu pensamento pictórico”.

A representante da Academia Sueca lembrou ainda, quando questionada sobre a especificidade da poesia de Dylan, que foi escrita para ser cantada, que também Homero e Safo, há mais de 2000 anos, escreveram poesia que devia ouvir-se. “E ainda hoje lemos Homero e Safo”.

Atribuído pela primeira vez em 1901, ao francês Sully Prudhomme, o Nobel da Literatura, um dos mais mediáticos ao lado do Nobel da Paz, é sempre anunciado a uma quinta-feira, normalmente na primeira semana de outubro, na mesma semana em que outros quatro galardões criados por Alfred Nobel.

Mas este ano o galardão para a área da Literatura é o último a ser anunciado, algo que a Academia Sueca atribuiu a questões de calendário, mas que os meios de comunicação suecos suspeitam dever-se à dificuldade dos membros em chegar a acordo sobre um nome.

Desde 1901, quando os prêmios Nobel foram atribuídos pela primeira vez, foram entregues 108 prêmios Nobel da Literatura, 14 dos quais a mulheres.

Os prêmios Nobel nasceram da vontade do químico, engenheiro e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896) de doar a sua imensa fortuna para o reconhecimento de personalidades que prestassem serviços à humanidade. O inventor da dinamite expôs este desejo num testamento redigido em Paris em 1895, um ano antes da sua morte. Os prêmios foram atribuídos pela primeira vez em 1901.

Seja o primeiro a escrever um comentário

  1. É o mundo às avessas,estão desconstruindo até o prêmio nobel,ano que vem indico eu indico a Valesca popozuda,é tiro porrada e bomba…o mundo acabou!só esqueceram de apagar a luz…kabrummmmmmmmmmmmmm

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!