Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Pará

Pará é o único estado da região Norte a registrar saldo positivo de empregos no Comércio em fevereiro

De novembro de 2015 a janeiro de 2016, o Brasil registrou o número recorde de 9,6 milhões de pessoas desempregadas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), confirmando a crise econômica que atinge o país. Contudo, apesar do momento difícil em que se encontra a economia brasileira, o Pará teve saldo positivo na geração de emprego com carteira assinada em fevereiro deste ano, no setor comércio, com crescimento de 0,35%.

Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA), o setor admitiu 6.409 pessoas em fevereiro, contra 5.676 desligamentos, gerando saldo positivo de 733 postos de trabalho.

Com exceção do Pará, todos os estados da região Norte apresentaram saldos negativos de empregos formais, no comparativo entre admissões e desligamentos. No mês de fevereiro, Rondônia foi quem apresentou a maior perda de empregos formais, com saldo negativo de 961 postos de trabalho, seguido do Amazonas, com perda de 632 postos, e do Amapá, com 244 desligamentos.

Segundo a gestora de Estudos Econômicos da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará (Fapespa), Giovana Pires, neste momento de incerteza que assola a economia no país, os cidadãos têm poupado suas finanças e priorizado o que é essencial – alimentação e medicamentos – o que explica o bom andamento dessas áreas. “Observamos que as redes de hipermercados e farmácias têm conseguido se manter em meio à crise e são as líderes em contratações de mão de obra. Dos 733 postos de trabalho preenchidos, 433 foram em supermercados. Isso acontece porque as pessoas estão se restringindo, buscando gastar somente com o que não pode faltar”, comentou.

Ainda segundo a gestora, o Pacto Pela Produção e Emprego, firmado em 2015 pelo Governo do Estado e várias associações comerciais, segmento empresarial, campo e agronegócio, tem servido de base para a manutenção da mão de obra nos diversos setores. “A assinatura do pacto contribuiu para que empresários contratassem a metade do que seria o esperado na época de fim de ano para serviço temporário, no entanto, aqueles que foram contratados, têm se mantido até hoje nos postos de trabalho”, explicou Giovana Pires.

Para o diretor comercial do Grupo Nazaré de supermercados, Mauro Corrêa, a economia do Pará tem sido satisfatória se comparada a de outros estados da federação. “Percebo que o Pará está na contramão da crise brasileira e o Governo do Estado tem conseguido manter a nossa economia dentro da normalidade. Aqui no Nazaré, nós lançamos mão de estratégias para manter o nosso quadro de pessoas e inclusive conseguimos fazer contratações no mês de fevereiro. É bom saber que a crise tão noticiada nos jornais não chegou a nos atingir”, afirmou.

A atual supervisora de frente de loja Rubenita Teixeira, 43 anos, comemora sua admissão no Grupo Nazaré em fevereiro, após ter ficado um ano desempregada. “Eu trabalhei durante 15 anos como tesoureira aqui mesmo neste supermercado, mas precisei mudar de cidade e saí do emprego. Ao voltar para Belém, me vi desempregada. Foi um ano de desemprego e incerteza. Mas no dia 5 de fevereiro recebi a feliz notícia da minha readmissão. Me considero uma pessoa privilegiada pois, assim como eu, muitos pais de família ainda esperam por uma chance de poder trazer o sustento para suas casas”, disse.

Qualificação

De acordo com o secretário adjunto de trabalho, Everton Costa, o Estado tem desenhado uma plataforma de qualificação e educação profissional chamada “Pará Profissional”, que contará com o apoio de várias secretarias de governo e, cada uma dentro de sua expertise, auxiliará no andamento da gestão da qualificação profissional no Estado.

“Para este primeiro semestre de 2016, a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) vai lançar uma licitação para fazer a qualificação de mais de 1500 pessoas, que irão participar de cursos com impacto nas mais diversas regiões do Estado”, disse Everton Costa.

Os cursos são voltados para o empreendedorismo, como manutenção de motores e reparo de centrais de ar condicionado, além de formação na área de gestão, hotelaria, cozinha, padaria, dentre outros. “O nosso objetivo é dar toda a capacitação necessária para que a população possa se inserir no mercado de trabalho”, declarou o secretário adjunto. (APN)

Seja o primeiro a escrever um comentário

Deixe uma resposta