Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
polícia

Parauapebas: Falta atenção para com passageira causa incidente no terminal rodoviário

A mulher perdeu o ônibus e pediu à atendente ligar ao motorista, pois iria alcança-lo de táxi. A moça, entretanto, fez pouco caso

Uma mulher com uma criança no colo foi detida na rodoviária, no sábado (10), após quebrar o vidro do guichê de uma empresa de ônibus do transporte interestadual. O caso aconteceu por volta das 20h30, após uma discussão entre a acusada e uma atendente. A mulher teria chegado ao terminal rodoviário para embarcar, mas o ônibus já havia partido.

Nervosa por ter perdido a viagem, a acusada teria pedido para a atendente ligar para o motorista, pois ela pegaria um táxi para alcançar o ônibus. Entretanto, a atendente teria feito pouco caso, momento em que, indignada, a mulher teria batido com a mão vindo a quebrar o vidro.

A polícia foi chamada e a mulher, detida e apresentada na delegacia, onde foi ouvida em depoimento e em seguida liberada. Empresa, agressora e atendente não tiveram a identificação liberada.

Fica, portanto, a advertência: nada custava a atendente ou o encarregado pela empresa ligar ao condutor do ônibus. Afinal, a passageira só queria saber em que local ele estava para poder alcançá-lo!

(Caetano Silva)

Comentários ( 5 )

  1. Infelizmente não são todos que trabalham com o público que têm aptidão para tal, não foi a toa que o Brasil ficou em segundo lugar mundial de pior atendimento ao cliente.

  2. Nesse caso a advertência devia ser outra, conforme a lei e para segurança dos passageiros não se pode dirigir falando ao celular, então a advertência seria, saia de casa mais cedo pra não perder o ônibus.

  3. Zé, acompanho diariamente seu blog. sei que todos comentem erro, ate o mais intelectuais. de acordo com matéria não vi motivo para essa passageira fazer tal. porque isso já é cultura nossa, chega atrasado mesmo.
    se marcar um aniversario as 19:00, mais de 90% vai começar chega as 19:30.
    Repúdio todo e qualquer tipo de violência.

Deixe uma resposta