Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Futebol

Paysandu e Remo derrotam São Raimundo e Independente, respectivamente, e estão na final do Parazão 2017

Bergson marcou três gols e garantiu o Papão na final. Já o Leão passou sufoco, mas venceu o Galo Elétrico nos pênaltis

Por Fábio Relvas

O Paysandu foi o primeiro finalista do Parazão 2017 ao vencer o São Raimundo, por 3 a 1, na noite do sábado (22/04), no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. O atacante Bergson foi o nome do jogo marcando os três gols do Papão, aos 13 minutos do 1º tempo e aos 21 e 27 minutos do 2º tempo, enquanto que o meia Alexandre marcou o gol do Pantera aos seis minutos do 2º tempo. O Paysandu chega a duas finais em menos de uma semana, sendo finalista da Copa Verde e do Campeonato Paraense.

A partida: Paysandu 3 x 1 São Raimundo

A chuva que caiu na capital Belém afastou o público do estádio Mangueirão, que foi abaixo do esperado. Como a partida de ida terminou empatada em 0 a 0, em Santarém, ninguém estava com a vantagem para o jogo da volta e um novo empate levaria a decisão da vaga para os pênaltis. Nem bem começou o jogo e quase o São Raimundo chegou ao gol, após cruzamento da esquerda, a zaga do Paysandu não conseguiu cortar e a bola sobrou para Alexandre que sozinho chutou e acertou a trave do goleiro Emerson. Isso aos 20 segundos de partida.

O Papão deu o troco quando Alfredo recebeu lançamento na direita e chutou cruzado, o atacante Bergson chegou atrasado e não conseguiu completar para o gol. Aos 11 minutos, o Pantera reclamou de pênalti, quando a bola foi cruzada rasteira na área do Paysandu, mais uma vez a zaga não cortou e Alexandre foi derrubado dentro da área por Rodrigo Andrade e nada foi marcado. O time bicolor foi para o contra-ataque e chegou ao gol. Após cruzamento de Hayner pela esquerda, a bola caiu nos pés do atacante Bergson, que dominou e fuzilou para o fundo da meta do goleiro Roger Kath, aos 13 minutos, 1 a 0 Paysandu. Foi o sexto gol de Bergson, artilheiro isolado do Parazão.

Um minuto depois, o São Raimundo teve tudo para empatar o jogo, depois de um lance de ataque, a bola sobrou para Tiago que chutou e o zagueiro Perema salvou em cima da linha. O jogo era eletrizante no Mangueirão. Em outro lance do Pantera Santareno, Chaveirinho chutou cruzado da esquerda e Emerson defendeu bem. O Papão respondeu com Ayrton que tentou marcar colocado, mas Roger Kath atento espalmou para escanteio. Em jogada rápida pela direita, Erick Foca recebeu e de frente para o gol bicolor, chutou fraquinho em cima de Emerson. E o movimentado 1º tempo terminou com o a vitória parcial do Papão.

No 2º tempo o São Raimundo não tinha outra alternativa a não ser buscar o ataque para chegar a igualdade no placar. Logo aos seis minutos, Alexandre recebeu lançamento pelo meio e ficou sozinho com o goleiro Emerson, o meia teve calma e mandou para o fundo do gol, tudo igual no Mangueirão: 1 a 1. Festa da pequena torcida mocoronga que foi ao estádio. No lance seguinte, Alexandre teve mais uma chance para virar o jogo em favor do Pantera, mas de frente mandou a bola pela linha de fundo.

O Paysandu tentava reagir, mas não levava tanto perigo à meta adversária. Até que Bergson dominou na área e foi derrubado pelo zagueiro Vanderlan, pênalti para o Papão. O próprio Bergson cobrou no canto de Roger Kath e correu para o abraço, marcando o seu sétimo gol no Campeonato Paraense, aos 21 minutos, 2 a 1. Agora a festa era da Fiel Bicolor. O São Raimundo sentiu o gol e o Paysandu se aproveitou. Em um contra-ataque rápido, o lateral esquerdo Hayner fez um carnaval, driblando dois adversários e sofrendo pênalti de Leandrinho. Mais uma vez Bergson cobrou, o goleiro Roger Kath fez a defesa e na sobra o mesmo Bergson, o homem do jogo, mandou para o fundo da meta santarena, oitavo gol do atacante bicolor no Parazão, aos 27 minutos, 3 a 1.

O São Raimundo tentava chegar em bolas paradas, mas sem sucesso. Em lançamento no ataque bicolor, o goleiro Roger Kath saiu mal do gol e a bola sobrou para Leandro Carvalho, que tentou por cobertura e mandou pertinho da trave, seria o quarto gol do Papão. O Paysandu só administrou a boa vantagem e esperou o apito final para comemorar a vitória e a vaga na final do Parazão 2017. “Vou levar a bola pra casa, foi uma noite mágica pra mim e pela primeira vez como profissional marquei três gols em um jogo”, comemorou o atacante Bergson do Paysandu, artilheiro isolado do Parazão com oito gols marcados.

“Fico feliz em mais uma vez está trabalhando por uma equipe do interior e chegar entre os quatro melhores. O time foi muito melhor que o Paysandu no 1º tempo. No 2º tempo o time chegou ao empate, mas o primeiro pênalti foi um lance normal e o árbitro marcou. Ao nosso favor ele não marcou no 1º tempo um pênalti claro. Como se diz: dois pesos e duas medidas, foi o critério utilizado pelo árbitro”, desabafou o técnico Lecheva do São Raimundo.

O outro duelo da semifinal do Parazão 2017 ocorreu no domingo (23/04), entre Remo x Independente, partida também realizada no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. Um jogo cheio de polêmicas pelo lado azulino, devido a uma declaração de Eduardo Ramos, meio campo do Leão, onde afirmou que jogaria até com uma perna e que a comissão técnica foi que não quis escalá-lo. Eduardo não teve sua lesão 100% cicatrizada, que é de grau dois no músculo posterior da coxa direita e segundo a diretoria remista, foi o departamento médico do clube o responsável em vetar o jogador.

Com um público tímido, a desconfiança da torcida do Remo era visível nas arquibancadas do Mangueirão, devido ao placar favorável para o Independente, onde venceu a partida de ida em Tucuruí, por 2 a 0. Antes da bola rolar o Fenômeno Azul gritava :“Eu acredito”. E parecia que estavam pressentindo a classificação, que ficou longe após o gol de Magno Ribeiro, aos 13 minutos, que marcou 1 a 0 para o Independente. O Remo só reagiu aos dois minutos do 2º tempo com o gol do zagueiro Igor João e chegou a virada e a vitória com dois gols relâmpagos, Tsunami aos 40 e João Victor aos 42 minutos do 2º tempo. Na decisão por pênaltis, o Leão Azul venceu, por 10 a 9, com Val Barreto marcando o último pênalti e garantindo o Remo na final do Parazão.

O jogo: Remo 3 x 1 Independente – Nos pênaltis: 10 a 9 Leão Azul

O Remo começou o jogo sufocando o Independente nos primeiros minutos. O árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva, mostrou três cartões amarelos em cinco minutos de partida para o time do Galo Elétrico. Mas foi o time de Tucuruí que quase abriu o placar com atacante Magno Ribeiro, quando recebeu na esquerda e chutou cruzado, a bola bateu na trave. Na segunda tentativa, Magno Ribeiro acertou um chutaço de fora da área, no canto do goleiro André Luis, aos 13 minutos de jogo: 1 a 0 Independente. Foi o sexto gol de Magno no Parazão para a festa da torcida do Galo Elétrico.

O gol atordoou o time do Remo dentro de campo. Wellington Cabeça cobrou falta venenosa para o Independente, o goleiro André Luis rebateu e na sobra Magno Ribeiro chutou para a defesa do goleiro remista, que salvou com o pé mandando para escanteio. O técnico Josué Teixeira realizou duas mudanças relâmpagos no Leão Azul, tirando os laterais Jackinha e Léo Rosa, colocando Lucas Vitor e João Victor, respectivamente.

A torcida começou a pegar no pé do time remista, que tentava chegar de qualquer maneira à meta adversária. Em uma das tentativas, a mais clara do Remo no jogo, Jayme cruzou da direita, a bola passou do goleiro Evandro Gigante, mas o atacante João Victor não alcançou na tentativa de marcar de cabeça. Na blitz total azulina no final do primeiro tempo, Tsunami encontrou Gabriel Lima, que na grande área chutou para a defesa de Evandro Gigante, na sobra Edgar mandou um chutaço para mais uma grande defesa do arqueiro do Galo Elétrico.  Na última chance do Remo, Lucas Vitor pegou uma sobra dentro da área e mandou para fora. A reação azulina deu esperança a torcida para o segundo tempo.

O segundo tempo começou igual ao primeiro, com o Remo tomando a iniciativa. No primeiro minuto, Marquinhos cobrou falta perigosa por cima da meta de Evandro Gigante. Logo aos dois minutos, a bola foi alçada na área do Independente, João Victor cabeceou para a pequena área e o zagueiro Igor João também de cabeça mandou para o fundo do gol, tudo igual no Mangueirão: 1 a 1. O Leão Azul seguiu em cima, depois que Igor João cruzou da direita para a cabeçada de João Victor, o goleiro Evandro defendeu.

O Independente respondeu com o sempre perigoso atacante Magno Ribeiro, que após uma boa jogada individual, mandou um balaço para a defesa de André Luis. O técnico Josué Teixeira foi para o tudo ou nada, tirando o meia Marquinhos e colocando o atacante Val Barreto. Com isso, o Remo estava com cinco atacantes em campo. A essa altura, a pressão era total do Leão Azul, que teve a chance da virada com Lucas Vitor, quando ficou de frente para a meta adversária, mas chutou em cima do goleiro.

Sem esquema tático e mais na vontade, o Remo não deixava o Independente passar do meio de campo. O atacante Jayme roubou uma bola na entrada da área, mas na hora de finalizar pegou mal e o goleiro Evandro defendeu com facilidade. O Leão Azul errava muitos passes, o que dificultava sua chegada à meta adversária. As bolas que chegavam na área do Galo Elétrico, não levavam tanto perigo. A não ser após um escanteio cobrado para a cabeçada de Gabriel Lima, o goleiro Evandro defendeu uma bola venenosa.

Mais uma vez Gabriel Lima tentou desempatar o jogo em um chutaço de fora da área, o goleiro Evandro Gigante, muito bem na partida, espalmou para escanteio. Depois do escanteio, Tsunami subiu mais alto e cabeceou firme para virar a partida, 2 a 1 Leão, aos 40 minutos. O Remo ampliou aos 42 minutos, com atacante João Victor, após cruzamento na área apareceu livre e de cabeça mandou para o fundo do gol, 3 a 1, com o Fenômeno Azul enlouquecendo no Mangueirão.

O Leão Azul quase conseguiu a classificação no balaço de Gabriel Lima, o goleiro Evandro fez um verdadeiro milagre espalmando para escanteio. Em outra tentativa dos azulinos, o zagueiro Igor João mandou um chutaço, Evandro defendeu. O árbitro encerrou a partida aos 49 minutos. Como o placar agregado foi de 3 a 3, a decisão da vaga foi para os pênaltis. A torcida do Remo vibrou muito já que confiava no goleiro André Luis, que até então na temporada, havia pegado três pênaltis, de cinco cobrados em cima dele.

O Independente começou cobrando com Anderson Preto, que cobrou bem e abriu o placar: 1 a 0; João Victor bateu para o Remo e telegrafou a cobrança, o goleiro Evandro defendeu; Dudu com muita tranquilidade converteu, 2 a 0 Galo Elétrico; Val Barreto cobrou forte e diminuiu para o Leão Azul, 2 a 1. Martony bateu firme no canto e ampliou, 3 a 1. Gabriel Lima cobrou no alto e marcou o segundo do Leão, 3 a 2; Wellington Cabeça cobrou bem e marcou 4 a 2 Independente; Tsunami mandou um chute forte e diminuiu para 4 a 3; Wesley Bigu teve tudo para classificar o Galo Elétrico, mas chutou por cima; Edgar estava com a esperança azulina e bateu com muita categoria deixando tudo igual, 4 a 4. As cobranças foram para a série alternada e Diego Lira marcou para o Independente, 5 a 4; Lucas Vitor cobrou bem para o Leão e deixou sua marca, 5 a 5; Mocajuba tirou do alcance do goleiro e fez, 6 a 5 Galo Elétrico; Elizeu cobrou para o Remo, o goleiro Evandro tocou na bola, mas ela entrou, 6 a 6; Ezequias cobrou e o goleiro André Luis defendeu para o Leão Azul; A sorte do Remo estava nos pés do zagueiro Henrique, que bateu mal e Evandro Gigante defendeu; Chicão com estilo marcou para o Galo Elétrico, 7 a 6; Jayme apesar do cansaço, mandou um balaço e empatou para o Remo, 7 a 7; Monga bateu e a bola passou embaixo do goleiro, 8 a 7; Igor João cobrou com muita categoria e empatou para os azulinos, 8 a 8; O goleiro Evandro Gigante cobrou para o Galo Elétrico e fez 9 a 8; André Luis também cobrou para o Remo e empatou novamente 9 a 9; Anderson Preto bateu forte e isolou mandando por cima da meta remista; Val Barreto estava com a responsabilidade de garantir a classificação e bateu com estilo, Remo 10 a 9.

Leão classificado para a final do Parazão. “Pra mim significa muito pela minha trajetória dentro do clube marcar o gol da classificação. Todo mundo batalhou e isso foi importante para o grupo e vamos com tudo para conseguir o nosso objetivo”, comemorou o atacante Val Barreto do Clube do Remo. “Nos gostaríamos muito de está na final, mas parabéns ao Clube do Remo que foi muito grande hoje, apesar de seus bastidores conturbados antes do jogo”, declarou Léo Goiano, técnico do Independente.

Remo e Paysandu vão decidir o título do Parazão em dois jogos marcados para o estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém, nos dias 30 de abril e 7 de maio. Já São Raimundo e Independente estarão disputando o terceiro lugar do Campeonato Paraense em dois jogos, um em Santarém, e outro em Tucuruí. As datas serão nos dias 29 de abril e 6 de maio.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!