Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Secretária nacional promete ampliar políticas públicas para mulheres em Marabá

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), mostra que Marabá figura como um dos piores municípios de todo o Brasil para as mulheres.

No início desta semana, as vereadoras Irismar Melo e Cristina Mutran, juntamente com a coordenadora da Coordenadoria Mulher de Marabá, Júlia Rosa, estiveram em Brasília em reunião com a secretária nacional de Políticas Públicas para Mulheres, Maria Aparecida de Moura. O encontro, agendado pelo ministro de Integração Nacional, Antônio Pádua, teve na pauta os desafios que Marabá enfrenta com poucas políticas públicas para mulheres e a necessidade de fortalecimento de projetos para modificar o cenário atual do município.

Elas lembraram que em 2017 foi divulgado pelo IPEA o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), mostrando que a crise é de tamanha proporção que Marabá figura como um dos piores municípios de todo o Brasil para as mulheres.

Motivadas por esse propósito, as três conseguiram apoio para institucionalização da Rede de Atendimento à Mulher e a Criação do Pacto Intersetorial no Município de Marabá.

Maria Aparecida garantiu suporte técnico para realização de oficinas, condicionantes para estruturação da Rede e fez importantes recomendações sobre o SICONV (Portal de Convênios do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão), indicando como Marabá pode se habilitar para conseguir ainda mais suporte às políticas públicas para mulheres.

Irismar disse voltar do encontro com sensação de dever cumprido e ressaltando a importância da integração entre os poderes. “Conseguimos alcançar muito mais apoio juntas do que nas ocasiões em que viemos sozinhas, tentando resolver o problema. O apoio do ministro Pádua abriu as portas para tudo isso, mostrando a importância dessa união que só tem um único beneficiado, que é Marabá.”

A vereadora Cristina Mutran destaca que é hora de intensificar os trabalhos visando diminuir os índices alarmantes de violência e crimes praticados contra a mulher e avançar com políticas de atendimento ao segmento.

Deixe uma resposta