Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Último ato de Salame foi reajuste de 28% no transporte coletivo

Por outro lado, empresas firmaram compromisso de renovar a frota e ampliar número de bairros a serem atendidos

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

Antes de ir embora de Marabá no dia 29 de dezembro rumo a Brasília (ele não passou a faixa para o atual prefeito, Sebastião Miranda Filho) João Salame Neto assinou o Decreto de número 243/2016, autorizando o reajuste da tarifa do transporte coletivo urbano em 28%, saindo de R$ 2,50 para R$ 3,20, com a meia passagem a R$ 1,60. A nova tarifa começou a entrar em vigor no dia 30 de dezembro e pegou de surpresa muitos estudantes que estavam viajando.

As aulas na Unifesspa (Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará) retornaram nesta segunda-feira, dia 2 de janeiro, e os acadêmicos chiaram bastante. É o caso de Jorge Antônio da Silva, que considera o reajuste uma apunhalada pelas costas, porque o governo não discutiu com a categoria, como sempre acontece e tomou uma decisão “arbitrária”, segundo ele. Antônio disse que os estudantes universitários vão se reunir para pressionar o novo governo a revogar o reajuste de Salame. “Neste momento, muitos estudantes do ensino médio estão de férias, mas vamos tentar mobilizar a maior quantidade de usuários do transporte coletivo possível”, alertou.

O ex-prefeito João Salame justificou que com o reajuste, as empresas Nasson Turismo e TCA se comprometeram em aumentar o investimento a curto e médio prazo para melhoria e ampliação do atendimento dos serviços públicos do sistema de transporte coletivo. O então prefeito João Salame justificou também que o reajuste se fez necessário para garantir a sustentabilidade do sistema de transporte urbano, incluindo a recomposição salarial e a reposição nos preços dos insumos necessários à operação dos ônibus. De acordo com o ex-gestor, o aumento da passagem foi aprovado também pelo Conselho Municipal de Transporte e que o valor da tarifa não era reajustado desde 2014, enquanto deveria ser alterado uma vez por ano.

Segundo o ajuste de contrato, no prazo de 30 a 120 dias as duas empresas concessionárias do serviço terão de concluir e operar o novo quadro de horários para a atual frota operacional do sistema de transporte coletivo urbano, inclusive utilizando de tecnologias como software que possibilite o controle da frota, aplicativos (apps) que possam gerar maior controle e transparência, além da criação e extensão de linhas urbanas, atendendo aos bairros Nossa Senhora Aparecida e Araguaia, Cidade Jardim, Francolândia e linha circular para atender aos bairros do Núcleo Cidade Nova.

Em até 60 dias, as empresas concessionárias apresentarão garantias de aquisição de mais ônibus para elevar a frota operacional de 44 para 70 veículos, mais reserva, bem como para renovação da frota, retirando veículos com vida útil acima de dez anos, trocando-os veículos de vida útil até cinco anos, conforme os termos contratuais da licitação ocorrida no governo de Maurino Magalhães.

Outra medida que deve ser implementada, só que pela Prefeitura de Marabá, é homologar o novo regulamento operacional do serviço público de transporte de passageiros urbano, além de criar um grupo de trabalho de mobilidade urbana e concluir o projeto de mobilidade voltado aos serviços de transporte coletivo, apresentando novas rotas e linhas de atendimento, através da proposta de integração via terminal/estações ou ainda via integração temporal, cujos estudos devem ser concluídos no prazo de até 120 dias.

Em até 240 dias, a TCA e Nasson irão concluir e operar o quadro de horários para a frota operacional de 70 ônibus dentro do novo sistema operacional de integração a ser elaborado pelo grupo de trabalho criado pela Prefeitura.

A partir de 180 dias o município iniciará a execução e recuperação preferencial de pavimentação asfáltica das vias de trajeto dos ônibus urbanos. Além disso, nesse mesmo período a PMM deverá ampliar a sinalização de marcos de paradas de ônibus ainda sem a sinalização vertical, com instalação de, no mínimo, 50 placas. Também deverá ampliar o número de abrigos nas paradas de ônibus, com dez novas coberturas, além de restaurar as atuais.

Em até 60 dias a Prefeitura iniciará negociação com as entidades de classe dos |servidores públicos do município para retornar com o uso do VT Card.

Comentários ( 4 )

  1. Poxa, Zedudu, seja menos parcial!!!!! Em Parauapebas também houve reajuste, pelo Governo Valmir, antes de sair da Prefeitura, e não me lembro de suas críticas !!!! Poupe-nos!!!!!

  2. João Salame covarde… Deixa um presente desse e não pagou salário de novembro e nem Dezembro, mesmo verbas do governo federal tendo caído nos últimos 3 dias do ano mais de 14 milhões do FUNDEB..!!!

Deixe uma resposta