Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Jacundá

Prefeitura de Jacundá recebe “Mega-Sena” de precatório da educação

Município recebeu bolada de R$ 49 milhões e 60% deverão ser aplicados em remuneração para os educadores
Continua depois da publicidade

“Hoje precisamos da força da nossa categoria na luta em defesa do Precatório. Será a nossa primeira reunião com o governo, após a liberação do recurso para o município. Vamos buscar junto ao governo a reafirmação do nosso acordo que garante o rateio aos educadores, e ainda unir estratégias para que juntos (Sintepp e governo) ratifiquemos a homologação junto ao juiz da comarca”. O chamado acima é assinado pela coordenação do Sintepp (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará) Subsede Jacundá.

A reunião acontece na tarde desta terça-feira, no gabinete do prefeito municipal.

A bolada de R$ 49 milhões já está numa das contas da Prefeitura de Jacundá e deverá ser divida em duas partes, principais conforme um acordo firmado em 2017 entre Sintepp e Prefeitura. A primeira corresponde a 60% desse valor para ser dividida entre os educadores concursados. Aproximadamente 450 a 500 educadores serão beneficiados. A segunda parte, que corresponde a 40%, será de responsabilidade da Prefeitura, e tem como destino investimento na melhoria do sistema educacional municipal.

O coordenador do sindicato, Toni Gomes, conclama a classe para unir forças com a finalidade de garantir um acordo firmado com o prefeito Ismael Barbosa em relação ao rateio dos recursos. “Reforço o manifesto para quem puder está em frente à Prefeitura, com cartazes e faixas que expressem a defesa deste recurso para educação e educadores. Hoje às 15h, em frente a prefeitura. Após a reunião teremos assembleia em nosso espaço para passar os informes. Vamos juntos pessoal. Essa luta não será nada fácil”.

A verba é oriunda da recuperação de créditos frente ao Governo Federal, referentes às diferenças de repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, o Fundef.

O Fundef, atualmente substituído pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos profissionais da Educação (Fundeb), é composto por recursos de cada estado e, nos casos em que não alcancem o valor mínimo previsto nacionalmente, complementado pela União. Em 1999, o Ministério Púbico Federal de São Paulo (MPF/SP) propôs ação contra a União ao constatar que ela estaria repassando valores inferiores ao que seria devido.

Em 2015, o STF confirmou a sentença, determinando a União a repassar aos municípios lesados, a diferença dos valores devidos. Portanto, surgiu uma nova possibilidade para recuperar a verba à qual os municípios já teriam direito de receber no período de 1998 a 2006.

Antonio Barroso

Parauapebas

Unisa realiza encontro para debater a violência contra a mulher

A violência era tida como elemento estrutural, necessária à organização social de gênero e fazia com que o homem garantisse sua posição privilegiada na sociedade
Continua depois da publicidade

Ainda fazendo parte da campanha que vem sendo realizada no Agosto Lilás, a Unisa – Universidade de Santo Amaro, por meio dos acadêmicos do curso de Serviço Social, realizou encontro no plenarinho da Câmara Municipal de Parauapebas, para discutir o tema proposto na campanha: violência contra a mulher.

O encontro teve como eixo a palestra da psicóloga Natally Guimarães, servidora pública na Secretaria Municipal da Mulher, que detalhou as principais formas de violência doméstica, iniciando pela psicológica, que ocorre sob forma de insultos verbais até sua evolução chegando á agressão física. “O controle masculino se iniciou pela força bruta, vindo depois a ter formas mais sofisticadas de dominação”, citou Natally, detalhando como sendo pelas leis, costumes, religiões, ciência, filosofia e política.

A violência em todas as suas formas, conforme explicado pela palestrante, era tida como elemento estrutural, necessária à organização social de gênero e fazia com que o homem garantisse sua posição privilegiada na sociedade. O desfecho da palestra foi a Lei Maria da Penha, mostrando que em Parauapebas existe uma rede de proteção à mulher vítima de violência que pode receber toda a assistência para que torne a viver com liberdade e equilíbrio psicológico.

O evento, na avaliação da professora Berta Morais, responsável pela turma, foi proveitoso, principalmente devido à participação de homens. “Não adianta apenas as mulheres conhecerem seus direitos. É preciso que os homens também saibam e aceitem convier com este novo momento em que os gêneros ocupam o mesmo espaço”, avaliou ela.

Quem também se fez presente ao evento foi Lilian de Carvalho, coordenadora Pedagógica. Em suas palavras orientou ser possível que os gêneros convivam bem sem conflitos. “Em vez de dividir, podem somar. E isto fortalece tanto os relacionamentos quanto a sociedade que terá famílias mais consonantes e criando homens e mulheres prontos para o bom relacionamento profissional ou amoroso no futuro”, almeja Lilian.

 

Marabá

Promotora cobra, na Justiça, sistema de controle de incêndio em escola de Marabá

Alunos do Colégio Paulo Freire correm risco em caso de incêndio porque o prédio tem 3 andares de salas de aula e uma única escada de acesso
Continua depois da publicidade

Três pavimentos de salas de aula com uma única escadaria de acesso a eles. Esse é o perfil do Colégio Paulo Freire, no bairro Belo Horizonte, em Marabá, que não tem nenhum sistema de prevenção contra incêndio. Ela pertence ao Estado, mas há turmas também do ensino fundamental, de responsabilidade do município.

Por conta disso, o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), por meio da 6ª Promotoria de Justiça de Marabá, ingressou com mais uma ação civil pública contra o Estado do Pará e o município de Marabá, visando a garantia do direito constitucional à educação digna e de qualidade.

Na ACP, com pedido de tutela de urgência antecipada contra o os dois entes, o Ministério Público requer à Justiça que o Estado e o município adotem medidas para cumprir, no prazo de 30 dias, os itens mencionados na Recomendação Ministerial Nº 074/2015 pendentes de regularização, e que seja viabilizada a instauração do sistema de prevenção de combate contra incêndio e controle de pânico (PCCI), amparado pelo Decreto n° 357 de 12 de agosto de 2007 e Lei Estadual n° 5.088/1983 no colégio em questão, com posterior vistoria do Corpo de Bombeiros.

Dentre os itens da recomendação ministerial expedida pela promotora Mayanna Souza Queiroz, estavam a tomada de providências para a adoção das medidas necessárias a fim de suprir inteiramente a carência dos materiais e equipamentos necessários ao bom desempenho das atividades escolares, no prazo de 60 dias; a realização de periódica manutenção dos aparelhos de climatização para promover o bem-estar e conforto dos alunos, no prazo máximo de 30 dias, e o abastecimento da escola com bebedouros em quantidade suficiente, com água potável e resfriada, instalando-se um bebedouro para cada 75 alunos, estimando-se um consumo de 1 litro de água por pessoa, por dia, no prazo máximo de 30 dias.

Outras autoridades que também receberam recomendação ministerial foram o secretário municipal de Segurança Institucional, Jair Barata, para que adotasse as medidas necessárias para assegurar a pintura de faixa de pedestre nas vias contíguas ao estabelecimento de ensino, bem como placa de sinalização vertical indicativa de travessia de pedestre e da presença de escola nas proximidades, em um raio de 200 metros do estabelecimento de ensino; o 4º Batalhão da Polícia Militar, para que promovesse a aplicação do projeto Proerd para os alunos da escola, a fim de propiciar a orientação e prevenção ao uso de drogas para crianças e adolescentes com qualidade e inovação, ajudando as famílias e a comunidade escolar.

Ao secretário de Segurança Pública do Estado do Pará foi recomendada a adoção de medidas necessárias para a devida segurança aos alunos e servidores da escola, tal como a inclusão da escola na rota obrigatória de fiscalização da Polícia Militar, ou a colocação de um apoio móvel de guarnição policial.

Já a diretora da escola Paulo Freire foi recomendado a utilizar com eficiência a verba oriunda do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), e a disponibilizar materiais de limpeza e higiene, vez que podem ser compradas com o Programa. Ao Corpo de Bombeiros foi recomendado que realizasse vistoria na escola no prazo de 30 dias, e que fosse apresentado o respectivo relatório.

Entretanto, em ofício enviado ao Ministério Público, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) solicitou nova dilação de prazo (90 dias), visando dividir responsabilidade com a 4ª Unidade Regional de Ensino de Marabá (URE), alegando que o colégio pertence tanto a rede estadual como municipal.

O secretário Municipal de Educação, por sua vez, informou que o prédio da referida escola pertence ao governo do Estado e que o atendimento das redes de ensino (Estado e Município), ocorre de modo compartilhado.

“Está claro que o estado e o município, tendo ambos obrigação com o adequado funcionamento da escola, vêm se eximindo, transferindo um para o outro a responsabilidade, e não adotando providências satisfatórias quanto ao cumprimento dos itens recomendados, não restando outra alternativa ao Ministério Público senão o ingresso com a ação, visando garantir os direitos à educação dos estudantes da Escola Professor Paulo Freire”, argumenta a promotora de Justiça Mayanna Queiroz.

No pedido final, o Ministério Público do Pará requer a concessão da tutela antecipada, em caráter antecedente, para determinar aos requeridos as providências em caráter de urgência; que seja fixada, já na concessão da tutela antecipada, multa diária à base de R$ 10 mil, em caso de descumprimento da medida judicial determinada, para cada réu e, na eventualidade de descumprimento da decisão de mérito, após a intimação, que a Justiça determine o imediato bloqueio de verba dos recursos próprios do Estado e do Município, no valor de R$ 500 mil, necessários para o cumprimento integral da decisão.

Parauapebas

Educação em Parauapebas apresenta melhores resultados no IDEB

Trata-se do principal indicador de qualidade do ensino brasileiro e é calculado a cada dois anos para o ensino fundamental e, também, para o ensino médio
Continua depois da publicidade

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de Parauapebas, tanto para os anos iniciais quanto para os anos finais do ensino fundamental, está entre os maiores do Pará. A informação foi divulgada pelo Ministério da Educação (MEC) na manhã da última segunda-feira, 03. “Recebemos com satisfação esta notícia. Vemos nisto a recompensa pelos esforços que envidamos desde o início desta gestão”, afirmou Raimundo Neto, Secretário Municipal de Educação de Parauapebas, dando conta que as formações para todos os docentes, professores, coordenadores e diretores são constantes sendo uma a cada mês.

São nestas formações que, segundo Raimundo Neto, são criadas estratégias específicas para cada escola ou turma, pensando formas para aumentar os índices. Mas, não é apenas em aumentar os índices que demonstra preocupação. Para ele, mantê-los é também se objetivo. “É por isto que não descansamos, mesmo com o resultado obtido”, diz Raimundo Neto, contando que está mapeando as escolas com seus respectivos índices para trabalhar estratégias individuais para buscar elevar os índices das que estão em situações inferiores.

Nas estratégias, segundo o gestor da educação no município, não estão descartadas a remoção de servidores para outras funções ou para outras unidades escolares, além da nomeações ou promoções de acordo com a necessidade, pois, em seu entendimento, mesmo com um time formado por pessoas competentes é preciso saber a aptidão de cada um ou a melhor posição que ele joga (atua).

Quem também comemora o resultado é o vereador Luís Castilho (PROS), líder do governo na Câmara Municipal. Sempre apoiador de iniciativas educacionais, Castilho usou a tribuna da Câmara Municipal e falou do sucesso do gestor da pasta da educação, enaltecendo a capacidade de Antonio Neto e sua equipe. “Não se colhe resultados como este sem o esforço conjunto de toda uma equipe. Por isso, Raimundo Neto está duplamente feliz. Primeiro por ter composto uma equipe que o auxiliou a promover tais melhorias; segundo, exatamente pelas metas alcançadas”, disse Castilho, dando por importante a soma de esforços para auxiliar o secretário a continuar neste esforço.

Situação nas escolas em Parauapebas – Em nível municipal, 13 escolas têm nota igual ou maior que a média local para as séries iniciais. Nesse grupo, constam oito escolas que tiveram Ideb acima de 6, sendo a Cecília Meireles a de melhor desempenho nas séries iniciais, com nota 6,5. Em seguida, aparecem as escolas Paulo Fonteles, com 6,4, e Luiz Magno, com 6,3, acompanhadas de Eduardo Angelim e Elisaldo Ribeiro, ambas com 6,2.

Jozias Leão, com 6,1, mais as escolas Machado de Assis e Carlos Henrique, empatadas com nota 6, completam o pelotão de educação com nível mais elevado. Além delas, as escolas Chico Mendes, Eurides Santana, Irmã Laura e Jean Piaget têm, cada uma, 5,9 de Ideb e são acompanhadas pela Faruk Salmen, com 5,7, que fecha o time dos estabelecimentos dentro da média municipal.

O Ideb de Parauapebas para as séries finais do ensino fundamental ficou em 4,6. Nesse quesito, apenas Altamira e Ulianópolis, ambos empatados com 4,8, superam Parauapebas.

Na rede municipal, nove escolas apresentam Ideb igual ou superior à nota geral do município. Com 5,7, Jozias Leão é a líder nas séries finais, seguida por Luiz Magno, com 5,4, e Monteiro Lobato, com 5,2. Elisaldo Ribeiro e Paulo Fonteles aparecem empatadas, com 5,1.

As escolas Antônio Vilhena, com 4,7, e o trio composto por 18 de Outubro, Sandra Maria e João Evangelista, todas com 4,6, completam o time de unidades de ensino com nota igual ou acima da média local.

Sobre o IDEB – Trata-se do principal indicador de qualidade do ensino brasileiro e é calculado a cada dois anos para o ensino fundamental e, também, para o ensino médio. Para compor o indicador, o MEC considera as notas dos estudantes na prova do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e os índices de fluxo, compilados pelo censo escolar.

Em 2017, o Ideb de Parauapebas para as séries iniciais do ensino fundamental ficou em 5,7. O resultado corresponde à meta projetada para 2021. No Pará, somente Benevides (6,2) e Ulianópolis (6) alcançaram notas maiores, enquanto Paragominas aparece empatado.

Parauapebas

Professor vai ministrar Workshop “Como Elaborar Projetos de Pesquisas Acadêmicas”

Em Parauapebas, o curso será voltado aos interessados em participar do processo seletivo ao Mestrado Profissional ofertado pela Mineradora Vale, conforme edital disponível no site www.vale.com
Continua depois da publicidade

Nos dias 11 e 12 do mês de setembro, das 14 às 22 horas, será realizado o Workshop denominado “Como Elaborar Projetos de Pesquisa Acadêmica”, no Auditório do Centro Universitário de Parauapebas (CEUP), localizado a Rua A, Quadra Especial, entre as ruas 8 e 9, bairro Cidade Nova, em Parauapebas.

O curso será voltado aos interessados em participar do processo seletivo ao Mestrado Profissional ofertado pela Mineradora Vale, conforme edital disponível no site www.vale.com. Ele tem como objetivo orientar quanto à elaboração de projetos de pesquisa, além de pretender contribuir para aumentar as chances de ingresso dos candidatos e deriva do interesse na produção de conhecimentos diversos sobre nossas problemáticas locais.

O ministrante será o Prof. MSc. Paulo Sérgio Ribeiro, Sociólogo e Cientista Político, com grande experiência na área, atualmente radicado na capital do minério. A referida atividade não tem fins de lucratividade econômica, ficando a participação condicionada à doação de 01 Kg (Um
kilo) de alimento não perecível por participante (exceto sal), sendo que a arrecadação será destinada à ONG “Amigos que Brilham”.

De acordo com o Prof. Paulo Ribeiro, esse workshop é um pequeno retorno dos investimentos que o estado brasileiro fez na formação do pesquisador, uma vez que o mesmo tivera sua formação educacional custeada exclusivamente por recursos públicos.

SERVIÇO

Workshop “Como Elaborar Projetos de Pesquisa Acadêmica”

Período: dias 11 e 12 /Set/2018

Horário: 14 às 22 horas

Local: Auditório do CEUP – Rua A

Inscrições por e-mail: pauloribeiroscsc@gmail.com

Taxa: 1 Kg de alimento não perecível (EXCETO SAL)

Contato para outras informações: (94) 99166-9534

Jacundá

Educadores de Jacundá escolhem livros didáticos para 2019

O encontro dos profissionais da Educação aconteceu na Escola “Rosália Correia”, onde tiveram a oportunidade de analisar e decidir sobre as coleções que serão utilizadas por professores e alunos nos próximos três anos
Continua depois da publicidade

Um encontro decidiu a grade de livros a ser adquiridos pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), a fim de atender os mais de 10 mil alunos matriculados na rede municipal de ensino público de Jacundá. Para definir as obras didáticas, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) reuniu diretores e educadores envolvidos com o Ensino Infantil e Fundamental, no último dia 30.

O encontro dos profissionais da Educação aconteceu na Escola “Rosália Correia”, onde tiveram a oportunidade de analisar e decidir sobre as coleções que serão utilizadas por professores e alunos nos próximos três anos. “Este momento conclui o processo de escolha democrático e participativo, iniciado anteriormente pelas unidades escolares”, disse a secretária de Educação, Leila Barbosa.
De acordo com o PNLD, os materiais distribuídos pelo MEC às escolas públicas de Educação Básica do País são escolhidos pelas escolas, desde que inscritos no PNLD e aprovados em avaliações pedagógicas coordenadas pelo Ministério da Educação e que conta com a participação de Comissões Técnica específica, integrada por especialistas das diferentes áreas o conhecimento correlatas, cuja vigência corresponderá ao ciclo a que se referir o processo se avaliação.

O que é?
Os Programas do Livro compreendem as ações de dois programas: o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) e o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), por meio dos quais o governo federal provê as escolas de educação básica pública com obras didáticas, pedagógicas e literárias, bem como com outros materiais de apoio à prática educativa, de forma sistemática, regular e gratuita.

Por Antonio Barroso – de Jacundá
(Foto: Divulgação)
Parauapebas

II Feira de Ciência e Tecnologia é realizada em Parauapebas

As 40 melhores ideias deverão ser expostas na Feira Internacional marcada para ocorrer de 15 a 21 de outubro, em Parauapebas
Continua depois da publicidade

Como forma de incentivar estudantes do município para o desenvolvimento de novas ideias e soluções para as mais diversas finalidades sociais a prefeitura por meio da Secretaria de Mineração, Ciência e Tecnologia (Semmect) realizou a II Feira de Ciência e Tecnologia (Fepacti) de Parauapebas, realizada durante toda esta sexta-feira, 31. No local, quadra da Escola Municial Chico Mendes,  muita gente teve a oportunidade conhecer os projetos apresentados por estudantes do município.

A feira reuniu 62 projetos construídos por alunos do ensino fundamental, médio, técnico e superior das instituições de ensino públicas e privadas, sob a orientação de professores. Um deles é o projeto de eletromecânica de um grupo de estudantes do ensino técnico, que desenvolveram uma proposta que oferece a redução na conta de energia elétrica com o uso de aplicativo celular.

A ferramenta oferece ao usuário a possibilidade de acessar remotamente qualquer parte do sistema elétrico de uma residência para ligar ou desligar aparelhos elétricos apenas pelo aplicativo a qualquer distância da residência, bastando estar conectado à internet.

A tecnologia já existe no mercado, mas é cara: custa, em média, R$ 5 mil. Já a proposta apresentada pelos estudantes oferece uma versão bem mais barata.

Uma comissão formada por professores de instituições públicas e privadas avaliaram todos os projetos. 50 ideias foram selecionadas e 40 delas deverão ser expostas na Feira Internacional marcada para ocorrer de 15 a 21 de outubro, em Parauapebas, no Ginásio Poliesportivo.

Outros dez projetos ficam selecionadas em uma espécie de suplência. Na Fepacti, as ideias mais bem colocadas são premiadas e os autores recebem bolsas de estudos entre as recompensas. “Nosso objetivo foi alcançado, pois temos aqui projetos voltados para a robótica, o meio ambiente, para a saúde, enfim, queremos novas ideias para a nossa comunidade”, avaliou o Secretário Municipal de Mineração, Flávio Veras.

Parauapebas

Uniforme escolar será entregue aos estudantes da Rede Municipal de Ensino

A parceria entre Prefeitura de Parauapebas e CoopeCorte tem como principal objetivo fomentar a economia local e distribuir a renda entre as cooperadas
Continua depois da publicidade

Francilda Tavares é uma das costureiras cooperadas que trabalha para entregar as camisetas que compõem o uniforme escolar dos alunos da Rede Municipal de Ensino de Parauapebas. “Agradeço todos os dias ao governo Darci, pela oportunidade que nos é dada em contribuir e em retribuição o fomento de nossa economia pessoal e de todas as cooperadas”, afirmou Francilda Tavares, costureira que trabalha em um dos 10 ateliers filiados à Cooperativa Mista de Produção e Comercialização das Costureiras e Costureiros de Parauapebas (CoopeCorte).

A parceria entre Prefeitura Municipal de Parauapebas, através da Secretaria Municipal de Educação, com a Cooperativa Mista de Produção e Comercialização das Costureiras e Costureiros de Parauapebas (CoopeCorte) teve como principal objetivo fomentar a economia local e distribuir a renda entre as cooperadas que estão trabalhando com a qualidade necessária.

Para a presidente da Coopecorte, Darcinete da Conceição Silva, a contratação dos serviços dos ateliers renovou as esperanças das cooperadas que, desde a segunda quinzena do mês de agosto, trabalham para entregar a encomenda com qualidade e no prazo combinado; e diz já planejar a aquisição de novas máquinas e capacitação das cooperadas.

“Uma iniciativa que vai contribuir para o desenvolvimento socioeconômico da cidade e valorizar da mão-de-obra local”, afirmou o Secretário Municipal de Educação, Raimundo de Oliveira Neto, ao visitar os ateliers, filiados à CoopeCorte, onde estão sendo fabricados os uniformes que chegarão aos mais de 48 mil estudantes da rede municipal de ensino de Parauapebas.

Mesmo assim, as cooperadas produzem 200 unidades por dia em cada atelier, um total de 2 mil camisetas. “Estamos acompanhando a produção nos ateliers para que na próxima semana possamos fazer a entrega aos estudantes. Porém, elas não vão parar, pois, já iremos entrega-las a missão de iniciar a fabricação dos uniformes que entregaremos logo no início de 2019”, explicou Raimundo Neto, dando conta de que a cooperativa, através de suas cooperadas, demonstrou ser capaz e por isto a parceria deve continuar.

Quem também acompanhou a visita aos atelier foi o Líder do Governo na Câmara Municipal, vereador Luís Castilho (PROS). Em sua visão, a ação do governo em dar a missão de confeccionar os uniformes a costureiras organizadas em cooperativa vem de encontro com a resposta à situação de desemprego que existe na cidade. “Estas mulheres trazem em seus nomes a profissão, pois, já são chamadas de ‘fulana’ costureira. Assim, são, de fato, as pessoas mais indicadas para costurar esta importante ação do governo”, resumiu Castilho.