Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

FAP 2018: Caso da égua abandonada serve de alerta para as próximas cavalgadas

Animal foi largado à própria sorte e poderia ter morrido, não fosse a ajuda de crianças e moradores próximos ao local onde a égua foi deixada
Continua depois da publicidade

Apesar dos elogios à cavalgada de abertura da 14ª Feira de Exposição Agropecuária de Parauapebas (FAP), considerada “tranquila e sem quaisquer incidentes”, por jornais e sites de notícias de Parauapebas e Marabá, um fato lamentável e desumano marcou o desfile, realizado no sábado, dia 1º, organizado pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Parauapebas (Siproduz). Uma égua prenhe foi abandonada por seu proprietário no canteiro central da Rodovia PA-275, por não ter mais condições físicas de seguir em frente.

Isso mesmo, o animal, que, pela condição de irracional, não sabe pedir socorro, não sabe dizer onde lhe dói ou que está sentindo, foi largado à própria sorte, sem socorro ou qualquer outro tipo de auxílio e, só não morreu graças à solidariedade de pessoas próximas, que lhe  restaram ajuda, acalentando e fazendo com que bebesse água.

Sindicato se exime de culpa
O Siproduz, em nota, coloca a culpa total nas costas do proprietário do animal, eximindo-se de qualquer responsabilidade, mesmo sendo o organizador da cavalgada. Diz que não tem como fiscalizar e afirma ainda que há pessoas que aderem à cavalgada sem ter ligação com o Sindicato Rural, o que torna mais difícil ainda a fiscalização. Ora, nada explica que ao organizar um evento desse porte ninguém tenha pensado em manter uma equipe que acompanhe a cavalgada exclusivamente para verificar esse tipo de situação, que caracteriza maus tratos a animal, crime previsto na Lei 9.605/ 1998, punido com prisão de três meses a um ano, e multa. Gislayne Farias Valente, mestranda em Agronomia, pela Ufra (Universidade Federal Rural da Amazônia), foi uma das primeiras pessoas a chegar próximo do animal: “Fiquei um tempo lá com ela, fiz carinho e tirei a foto. Perguntei a duas crianças o que tinha acontecido. Elas estavam lá dando água pra égua e tentando refrescá-la”, conta ela, que tirou fotos da égua e postou no grupo da turma de graduação, perguntando o que poderia fazer e para
quem denunciar.

Acadêmica diz que desacreditou na humanidade “Pedi ajuda, mas ninguém soube me responder ao certo. Uma amiga que trabalha com cavalos lá em Lavras (MG) viu minha postagem no Instagram e ficou bem preocupada. Ela disse que era pra continuar dando bastante água porque a égua poderia estar com cólica ou algo do tipo. Me senti muito impotente sem saber o  que fazer e fui para casa na esperança de que, com a repercussão, alguém a ajudaria”, conta Gislayne.

Indagada sobre o que sentiu ao constatar que o animal havia sido abandonado à própria sorte, a acadêmica disse que, naquele momento desacreditou na humanidade e na bondade do ser humano. “Nessas situações você se sente impotente e pequeno diante de tanta maldade”, desabafa, ponderando em seguida: “Porém, tem o lado bom, porque, em meio a situações ruins, tem gente com um coração bom. Várias pessoas foram lá prestar socorro e tentar ajudá-la.” Associação identificou proprietário do animal Ouvido pelo Blog, o veterinário Francisco das Chagas explicou que a égua, tanto pelo cansaço quanto pelo calor, teve os pulmões e o coração afetados e só não morreu pelo socorro prestado pelas pessoas: “Muitos animais, criados em fazendas, passam o tempo todo em espaços limitados. Retirados dali, de uma para outra
hora, para longa cavalgada à qual não estão acostumados nem preparados fisicamente, passam mal e podem até morrer”.

Com as fotos viralizando nas redes sociais, representantes da Apama (Associação dos Amigos e Protetores dos Animais e do Meio Ambiente) foram ao local e prestaram assistência à égua. “Nosso primeiro pensamento foi resguardar a vida do animal. Assim, recorremos à presteza de parceiros conseguindo os serviços de um veterinário que fez os primeiros procedimentos para diagnosticar a situação da égua e administrar medicamentos que a deixasse mais disposta”, conta a presidente da entidade, Byanka Delavour.

Após breve levantamento, o dono do animal foi identificado como João de Deus do Nascimento, de mais ou menos 70 anos. De acordo com ele, quem retirou o animal de sua propriedade foi seu neto, não identificado, que emprestou para um amigo, também de nome não mencionado. E foi essa pessoa que deixou o animal abandonado após sentir sua inutilidade para seguir até o fim dos 15 quilômetros de cavalgada, sob o sol escaldante das 10h.

Em Marabá, veterinários acompanham cavalgada 
O proprietário do animal nega o abandono, dando conta de que, tão logo soube do ocorrido, foi ao local e prestou socorro, retirando a cela e dando água duas vezes durante o dia. A Apama propôs várias medidas para que os animais sofram menos em eventos como esse e pediu aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, à OAB, à Polícia Civil e a sociedade em geral que tenham um forte diálogo com o Sindicato dos Produtores Rurais para que haja uma normativa sobre a participação dos animais. “A entidade irá tomar as providências cabíveis para sanar esse caso e evitar que outros aconteçam”, informou Byancka Delavour.

Em Marabá, ouvido pelo Blog, o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais – que promove cavalgada semelhante no próximo sábado (8) –, Antônio Vieira Caetano, contou que em 2014, antes do primeiro mandato dele à frente da entidade, um animal morreu já próximo da chegada, por exaustão.

“No ano seguinte, quando assumimos, determinamos que uma equipe de veterinários acompanhe a cavalgada para, caso algum animal venha a passar mal, seja imediatamente socorrido. Nessa tarefa, também contamos com a ajuda dos órgãos de trânsito que acompanham o desfile e que nos avisam de qualquer ocorrência”, detalhou ele.

Parauapebas

Roque Dutra assume chefia de gabinete da prefeitura de Parauapebas na sexta-feira

Roque se diz honrado e "feliz com o desafio de poder contribuir com o meu município. Não aceitar seria covardia"
Continua depois da publicidade

O comerciante Roque Francisco Dutra, 51 anos, deve assumir a chefia de gabinete do prefeito Darci Lermen (MDB) na próxima sexta-feira (10). As últimas tratativas estão sendo construídas nesse momento entre o prefeito e Roque Dutra, como é conhecido.

Roque é figura conhecida no meio político, e, apesar de não ter participado da vitoriosa campanha de Darci em 2016, sempre manteve uma boa relação com a atual gestão e conhece a política local como poucos.

Ele foi presidente do Diretório Municipal do Partido Progressista (PP) em Parauapebas durante os anos de 2007 e 2012, quando seu partido elegeu nada menos que três vereadores. Dutra tem conhecimento da gestão pública, já que assumiu a Secretaria de Urbanismo de Parauapebas na gestão de Darci Lermen pelo período 2011/2012 e foi presidente da LEP – Liga Esportiva de Parauapebas por 3 mandatos.

Questionado sobre os motivos que o levaram a aceitar o convite para substituir Bonetti, Roque se diz honrado e “feliz com o desafio de poder contribuir com o meu município. Não aceitar seria covardia”, finalizou.

Polícia

Em Parauapebas, bandidos tomam de assalto camionete do delegado Tiago Carneiro

O delegado, titular em Canaã dos Carajás, teve sua residência invadida por dois elementos. Ele sofreu tortura e teve sua arma funcional roubada
Continua depois da publicidade

Dia após dia, pelo menos um veículo é tomado de assalto em Parauapebas. Na manhã desta quarta-feira (11), dois assaltantes armados interceptaram o delegado Tiago Carneiro, de Canaã dos Carajás, e roubaram sua camionete L200 Triton quando este chegava em casa.

Um informante na 20ª Delegacia de Polícia em Parauapebas disse ao Blog que por volta das 7h30 o delegado chegava em sua residência quando dois elementos lhe deram voz de assalto. Com o delegado dominado, sua casa foi invadida e as pessoas que estavam na residência foram rendidas.

Os meliantes levaram alguns celulares, a arma de serviço do delegado e uma camionete L200 Triton.

Segundo o informante, após descobrirem que Tiago era delegado da Polícia Civil do Pará, os meliantes o agrediram com coronhadas e só não o mataram em virtude de estarem na presença do filho do delegado.

Logo após, os meliantes saíram da casa do delegado e abandonaram a camionete distante uns quatrocentos metros do local. Nela estavam os celulares do delegado e de seus familiares. A arma funcional, uma PT-40, não foi encontrada.

Delegado Tiago, que foi diretor da 20ª Seccional de Polícia Civil em Parauapebas entre 2016 e 2017, está em casa cuidando dos ferimentos. Ele passa bem e irá registrar um Boletim de Ocorrências assim que estiver restabelecido.

Parauapebas

Vídeo que mostra animal estranho viraliza nas redes sociais em Parauapebas

O autor da filmagem afirma se tratar de um pterossauro, animal pré-histórico extinto há 65 milhões de anos. Será?!  
Continua depois da publicidade

Um vídeo de pouco mais de 50 segundos, intitulado “Criatura misteriosa é filmada em Parauapebas”, está viralizando nas redes sociais na cidade. E vem passando de celular em celular, de smart em smart, de iPod em iPod e de e-mail em e-mail. Nas imagens, que mostram uma rua com pouca infraestrutura, que parece ficar em um bairro afastado do centro, aparece um animal voador, cujo autor da filmagem afirma, na legenda, que se trata de um pterossauro, animal extinto há pelo menos 65 milhões de anos.

Em certo trecho, o vídeo roda em câmera lenta, mostrando rapidamente detalhes do ser voador, com asas gigantes, semelhantes a de um morcego, extensões traseiras compridas e uma espécie de bico muito grande, parecendo mesmo um pterossauro  ou um pterodáctilo, cujos desenhos, feitos a partir dos fósseis encontrados, povoam livros de biologia e paredes de museus.

Não se sabe a origem da filmagem, também não se pode dizer que é montagem e, ao fundo, o que se ouve são vozes de pessoas como se estivessem assustadas. Uma delas, cuja voz parece de um jovem, chega a chamar alguém para ver o bicho.

Os pterossauros foram os primeiros répteis descendentes dos dinossauros a adotar o voo como forma de vida, há cerca de, 230 milhões de anos, no início do período Triássico. Cortavam os céus com suas asas compostas de membranas dérmicas, reforçadas com actinofibrilas para dar sustentação.

Ainda há possibilidade de existirem dinossauros?

Cientistas australianos da Universidade Murdoch, no oeste do país, descobriram que o DNA não sobrevive mais de 6,8 milhões de anos e, por isso, é “altamente improvável” a extração de material genético fossilizado dos dinossauros para ressuscitar os animais, que desapareceram da superfície da Terra há 65 milhões de anos.

A conclusão do estudo, segundo os pesquisadores, acaba com a mais remota possibilidade de um dia existir um “Parque dos Dinossauros”, como o criado pelo diretor Steven Spielberg no cinema.

Entretanto, a aparição do estranho animal em Parauapebas pode derrubar essas convicções, caso seja comprovado que o bicho filmado é mesmo um pterossauro. Será que estamos sendo invadidos por dinossauros? Será que isso tem alguma relação com os minérios do subsolo da região, alguns ricos em radioatividade?

São indagações que só o futuro poderá responder!

 

Pará

Pará: Fazenda divulga novos índices da cota-parte do ICMS para 2019.

Parauapebas tem o maior crescimento, passando dos atuais 11,38% para 14,02% em 2019.
Continua depois da publicidade

A Secretaria de Estado da Fazenda (SEFA) reuniu representantes dos municípios paraenses na manhã desta quarta-feira, em Belém, para discutir, entre outras coisas, a prévia do rateio do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para o ano de 2019. E na região sudeste do Pará, mais uma vez, Parauapebas segue com o maior percentual da cota-parte do ICMS. O índice para o ano de 2018 de Parauapebas é 11,38%, enquanto para 2019 foi anunciado a elevação para 14,02%.

Já Marabá, com população superior a Parauapebas, tem índice de 6,14% neste ano e de 6,29% para o próximo ano.

Curionópolis é de 0,64% em 2018 e para 2019 a projeção é de 0,84%.

Canaã dos Carajás também terá um crescimento substancial no índice em 2019, quando passará de 1,73% em 2018 para  2,37% no próximo ano.

Já Eldorado Carajás vai perder receita, já que tem índice de 0,30% para 2018 0,28 para 2019.

No caso de Parauapebas, o índice vem subindo ano a ano, mas já foi de mais de 20%. Todavia, com a polêmica intervenção do prefeito de Belém, Duciomar Costa, em 2016, a arrecadação no quesito ICMS caiu para todos os municípios, com exceção da capital. Por conta disso, a partir do ano de 2016 o município de Parauapebas viu sua arrecadação naufragar, embora viesse numa crescente desde 2013, com cifras superiores a R$ 389 milhões – e até mesmo R$ 454 milhões em 2014. Mas, a partir de 2016, Parauapebas viu sua arrecadação despencar e nunca mais chegou ao patamar de R$ 300 milhões. Em 2016 “amargou” R$ 296 milhões; em 2017 R$ 243 milhões; e em 2018 tem previsão de chegar a R$ 286 milhões.

Os índices anunciados ainda são provisórios, já que podem sofrer alterações em virtude de recursos impetrados pelos municípios.

Parte do que vai, volta!

No primeiro semestre deste ano, o município de Parauapebas recebeu como cota-parte de ICMS, até agora, o valor de R$ 114 milhões; Marabá R$ 61 milhões; Canaã dos Carajás R$ 17 milhões; Curionópolis R$ 6,4 milhões; e Eldorado do Carajás R$ 3 milhões. A Constituição federal estabelece que 25% da receita de ICMS de um Estado – usualmente conhecida como cota-parte do ICMS – deve ser transferida aos municípios daquele Estado. A Constituição estabelece também que 75% da cota-parte deve ser distribuída proporcionalmente ao valor adicionado no município e 25% com base em critérios estabelecidos em lei estadual.

Como é no Pará?

De acordo com a legislação, os critérios para definição da cota-parte são 75% distribuídos com base na apuração do valor adicionado, conforme determina a Lei Complementar 63/90; os demais 25%, definidos pela Lei Estadual 5.645/91 e alterações, divididos da seguinte maneira: 5% proporcional à área dos municípios; 5% proporcional à população; 7% dividido em partes iguais e 8% de acordo com critérios ecológicos.

O valor adicionado é calculado a partir do valor das mercadorias saídas e as prestações de serviços, deduzido o valor das mercadorias que entram em cada município.

Como se calcula o índice de participação de cada município?

O Decreto Estadual nº 2.057, de 29.11.93, alterado pelo Decreto nº 2.737, de 16.08.94, criou o Grupo de Trabalho   da  Cota-Parte, responsável pela execução das tarefas inerentes à fixação de repartição do ICMS aos municípios paraenses.

O somatório  do  valor  adicionado  dos  contribuintes de um determinado município corresponderá ao valor adicionado daquele município e o somatório do valor adicionado de todos os municípios corresponderá ao valor adicionado do Estado.

♦ 75%  do  índice é determinado com base na média geométrica dos índices de participação de cada município no valor adicionado do Estado, apurados nos dois anos civis imediatamente anteriores ao da apuração.

Exemplo: Em 2018 serão apurados os índices de participação que vigorarão em 2002, utilizando-se o valor adicionado de 2016 e 2017.

                  A = Índice Município em 1999 =Valor Adicionado do Município em 2016 x  75

                                                                        Valor Adicionado do Estado em 2016

                  = Índice Município em 2000 = Valor Adicionado do Município em 2017 x 75

                                                                         Valor Adicionado do Estado em 2017

                  MG =  Média Geométrica = Raiz Quadrada de A x  B

       ♦  25% do índice é determinado com base em Lei Estadual,  tomando por base a população, a superfície territorial e o número de municípios existentes no ano de 2017.

C =  População do Município em 2017 x 5
População do Estado em 2017

=  Superfície Territorial do Município em 2017  x 5
Superfície Territorial do Estado em 2017

E =   Partes Iguais  =                           15                           =      15
Números de Municípios em 2017    143

O índice de participação de um determinado município será :

IP  =  MG  +   C  +  D  +  E

Parauapebas

Avião Conquest 180 cai no Lago do bairro Nova Carajás, em Parauapebas

Felizmente não houve vítimas fatais
Continua depois da publicidade

Uma aeronave monomotor modelo Conquest 180 pilotada pelo empresário Ezio Fonseca de Menezes caiu no lago do bairro Nova Carajás, na entrada de Parauapebas há poucos minutos.

Ezio, que é piloto com larga experiência, fazia um voo panorâmico com um passageiro até o momento não identificado, mas que o Blog apurou tratar-se de seu cunhado.

Após a queda, que se deu em virtude de uma pane no motor da aeronave, as vítimas foram resgatadas do lago por populares e levadas para a Unidade de Pronto Atendimento de Parauapebas e não correm risco de morte.

Mais informações em instantes.

 

Esportes

Pequeno Gigante: Pedrinho, aos 6 anos, é campeão mundial de karatê na Escócia

O feito do carateca se tornou um fato inédito para a cidade de Parauapebas 
Continua depois da publicidade

O atleta de Parauapebas, Pedro Antônio Pereira da Cunha, mais conhecido como Pedrinho, de apenas seis anos, conquistou o Campeonato Mundial de Karatê realizado na cidade de Dundee, na Escócia, no período de 14 a 17 de junho. A competição reuniu 48 seleções mundiais, que competiram entre si, e com países considerados fortes na modalidade de karatê, como: Estados Unidos, Alemanha, Itália, Inglaterra, Ucrânia, Argentina, Escócia, África do Sul e Eslováquia.

Pedrinho conquistou a medalha de ouro na categoria de 6 a 7 anos, no kata, na faixa branca a laranja, e ainda conseguiu medalha de bronze, concorrendo em Kumite (luta). O atleta mirim disputou com todas as faixas, de branca a preta, obtendo a posição de terceiro melhor do mundo, sendo que o garoto é faixa vermelha. O feito do carateca se tornou um fato inédito para a cidade de Parauapebas, que formou um campeão mundial com apenas seis anos.

O atleta mirim começou a praticar o karatê aos quatro anos e de lá para cá vem conquistando diversos campeonatos, como o Paraense (2017), Copa Ramos (2017), o Brasileiro (2017) e o Norte e Nordeste (2018), onde obteve a classificação para o mundial. Sua preparação para a competição na Escócia foi intensa, quando o atleta chegou a treinar com garotos com idades mais avançadas, como de 9 até 11 anos, sendo oito vezes na semana.

O garoto Pedrinho conta com o total apoio da Prefeitura Municipal de Parauapebas, através da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEMEL), em parceria com o Sistema Único de Ensino Ágape, onde consegue conciliar o esporte e o estudo. O atleta tem todo o suporte necessário para que possa desenvolver suas atividades da melhor maneira possível, visando trazer bons resultados para a cidade.

“O secretário da SEMEL, Laoreci Diniz, tem nos apoiado junto com a Ágape. É uma parceria que vem nos ajudando muito a conquistar bons resultados e fazendo crescer o esporte. Só temos a agradecer também e muito, ao prefeito Darci Lermen, por essa oportunidade que tem nos apoiado e prestigiado de uma forma bastante abençoada. Eu sou muito grato a isso. Em relação ao mundial, enfrentamos os gigantes e nosso campeão pôde obter êxito, mostrando disciplina, treinamentos árduos e muita garra e determinação. Podemos dizer que foi o pequeno Davi enfrentando o grande Golias”, afirmou Valdivino Pereira, pai de Pedrinho.

Estava marcada uma carreata com Pedrinho, campeão mundial de karatê, para a tarde desta sexta-feira (22), mas devido ao jogo do Brasil na Copa do Mundo da Rússia, o comando do Corpo de Bombeiros deu recesso para a maioria da corporação, e por falta de contingente não foi possível realizar. A carreata deverá ser remarcada para semana que vem passando pelas principais vias da cidade de Parauapebas.

Polícia

Foragido do Crama flagrado com pedra de crack no fundo da cueca

Informação repassada ao disque-denúncia alertou a Polícia Militar, que flagrou Loirinho da Rua do Meio numa van que seguia de Marabá para Parauapebas
Continua depois da publicidade

Marcelo Gleison Cardoso, conhecido no mundo do crime como “Loirinho da Rua do Meio”, voltou ontem, segunda-feira (18), para onde saiu sem autorização: o Centro de Recuperação Agrícola “Mariano Antunes” (Crama), em Marabá. Ele foi preso por uma guarnição da Polícia Militar formada pelo tenente Freitas e pelo cabo Freitas, que solicitaram apoio para interceptar uma van que seguia de Marabá Para aquela Parauapebas. É que, via disque-denúncia, eles receberam a informação de que um passageiro transportava entorpecentes naquele veículo.

O apoio chegou e junto com os demais policiais o subcomandante do 23º Batalhão de Polícia Militar, major Emmett Alexandre Moulton. Com a descrição do traficante, a PM não demorou a identificar Loirinho da Rua do Meio que carregava, no fundo da cueca, uma pedra de crack.

Ao verificar no sistema de informações o nome do acusado, os policiais militares constataram que era foragido do Sistema Penal em Marabá. Ele contou que saiu beneficiado pelo indulto do Dias das Mães e não mais retornou ao cárcere. Essa história, porém, foi desmentida pelo diretor do Centro de Recuperação, tenente-coronel Alan, o qual contou que, como foi negada a Marcelo Loirinho a licença do Dia das Mães, ele resolveu sair por conta própria, fugindo da penitenciária.