Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Vans darão mais mobilidade à Assistência Social em Parauapebas

Os veículos foram repassados ao município pela mineradora Vale como condicionante ambiental da implantação do Ramal Ferroviário
Continua depois da publicidade

A Vale entregou ontem (17) duas vans equipadas com mobiliário para a Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) de Parauapebas. Com as unidades móveis, será possível levar, ao campo e à cidade, informação e serviços à população mais vulnerável para ter acesso a programas sociais. A ação integra o conjunto de investimentos sociais estabelecidos em convênio assinado em março deste ano entre a empresa e a prefeitura, no valor de R$ 7 milhões.

As ações foram definidas de forma participativa com a prefeitura, por meio de um Grupo de Trabalho (GT) formado por representantes de secretarias municipais e da empresa, e atendem ao Programa de Fortalecimento Institucional, condicionante ambiental da implantação do Ramal Ferroviário.

O convênio ainda prevê a aquisição de móveis e equipamentos para o Sine; aquisição de móveis, equipamentos e materiais para o Centro de Convivência Pipa; além da aquisição de um carro e a construção de um Centro de Gestão Ambiental (CGA). Todas essas ações estão em andamento. Em março último também foi assinado um segundo convênio, pelo qual, a Vale doou R$ 3 milhões para construção de escola.

Para o prefeito Darci Lermen, os veículos são muito importantes, porque se trata da proteção das pessoas que mais precisam. “Elas vão nos ajudar grandemente. Isso faz parte de um acordo que foi feito em torno da questão da ferrovia e agora estão chegando os resultados”, comemorou ele.

“Em breve vamos inaugurar o Projeto Pipa, que também vai estar equipado com tudo isso. As vans vão atender a toda a cidade e a zona rural, por meio da Secretaria de Assistência Social, que vai coordenar todo o programa para poder cuidar do Cadastro Único, Primeira Infância, CRAS, todos os programas da área social, enfim”, explicou Darci.

Jorge Guerreiro, secretário de Assistência Social de Parauapebas, disse que, com as Unidades Móveis, vai ser possível chegar mais próximo da população. “Elas vão nos dar condição de fazermos um trabalho com muito mais agilidade e o importante é que elas não vão ficar fixas em um local. Vão estar, de certa forma, circulando em toda a cidade e na zona rural. Então assim vai ser bem melhor para poder atender à população”, disse Guerreiro.

Redenção

MP recorre à Justiça para obrigar Estado a ampliar hospital de Redenção

Hospital Regional tem 11 anos de existência e nunca cresceu, enquanto a população do Araguaia não para de aumentar
Continua depois da publicidade

O Ministério Público do Estado, por intermédio da 3ª promotora de Justiça de Redenção, Rosângela Hartmann, propôs Ação Civil Pública com pedido liminar contra o Estado do Pará, para garantir a ampliação e reforma das instalações físicas e para o aumento do número de leitos de internação de todos os setores do Hospital Regional Público do Araguaia (HRPA), pois há 11 anos, desde que foi inaugurado, o estabelecimento permanece com a mesma capacidade de atendimento.

Na ação, a Promotoria requer que a Justiça determine ao Estado a obrigatoriedade de incluir no próximo PPA, a ser aprovado até 31/8/2019, bem como na Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO) e Lei Orçamentária Anual (LOA) subsequentes, rubrica ou dotação orçamentária com essa finalidade.

Outros pedidos constantes da ação é que sejam comprados leitos de retaguarda na rede privada de Redenção, todas as vezes que o hospital não dispuser de leito de internação para os pacientes da Região Araguaia regulados pelos municípios do polo. Os pacientes com perfil de UTI devem ser encaminhados para os Hospitais Regionais de outras regiões do Estado do Pará, nos casos de falta de leito de UTI do hospital.

Além disso, devem ser comprados leitos de UTI em hospitais da rede privada dentro do Estado sempre que não houver leito. Segundo apurado pela Promotoria, na época da inauguração, a população total dos 15 municípios atendidos pelo HRPA era de 406.000 habitantes, conforme dados do IBGE. Hoje, 11 anos depois, a população total, é de 550.946 habitantes. Nesse período houve um aumento populacional de mais de 140 mil habitantes, o que, em percentual, equivale a 35,7%, “É inegável a importância dos serviços de saúde prestados pelo HRPA ao longo desses 11 anos à população dos 15 municípios da Região Araguaia, inclusive com realização de transplante de rins, amplamente noticiados na imprensa estadual e nas redes sociais. Milhares de pacientes foram beneficiados por seus serviços ao longo de uma década. Isso é fato inconteste. Porém, apesar de sua reconhecida importância, nos últimos anos, o HRPA esteve relegado a um segundo plano pelo Executivo estadual”, relatou na ação a promotora Rosângela Hartmann.

Como exemplo dessa afirmação, tem-se que o setor de urgência e emergência – também chamado de Setor de Acolhimento, cuja finalidade é fazer triagem de pacientes, que lá devem permanecer pelo tempo máximo de 24 horas – hoje atende pacientes com perfil de UTI e de enfermaria, o que resulta em cenas cotidianas de pacientes em macas nos corredores. O número de pessoas, dentre as quais idosos, crianças e adolescentes, que figuram na lista de pacientes eletivos, é grande e o tempo para atendimento é extremamente longo, levando muitos a óbito durante o tempo de espera, situação essa decorrente do número insuficiente de leitos para atender a população dos 15 municípios da Região Araguaia vinculados ao HRPA.

Caso haja descumprimento da liminar, a Promotoria requer a aplicação de multa diária no valor de R$ 3 mil, a ser revestido ao Fundo de Reaparelhamento do Ministério Público.

Pará

76 municípios do Pará não atingiram meta de vacinação contra pólio e sarampo

Campanha nacional de vacinação termina na próxima sexta-feira (14). Em todo país, a cobertura vacinal contra a poliomielite e o sarampo está em 94%
Continua depois da publicidade

A três dias do término da Campanha Nacional de Vacinação, mais de 76 municípios do Pará não atingiram a meta de vacinar, pelo menos, 95% das crianças de um a menores de cinco anos contra o sarampo e a poliomielite. Dados preliminares do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI), alimentado pelos estados, apontam que o estado de Pará vacinou 89,16% do público-alvo contra a pólio e 89,38% contra o sarampo. A capital Belém também registra cobertura abaixo de 90% das crianças vacinadas. Em todo o estado, foram aplicadas mais de 1 milhão de doses das duas vacinas.

Todas as crianças de um a menores de cinco anos devem se vacinar independente da situação vacinal. O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, destaca a importância da mobilização de toda a sociedade para atingir a meta de vacinação. “A Campanha termina na próxima sexta-feira (14). Pais e responsáveis devem buscar os postos de vacinação. A vacina é a forma mais eficaz de proteger nossas crianças contra doenças já eliminadas no país”, enfatizou o ministro.

CAMPANHA SARAMPO E POLIOMIELITE

A média nacional de vacinação está em 94%. Foram aplicadas em todo país cerca de 20,8 milhões de doses das vacinas (10,4 milhões de cada vacina). Onze estados e mais de 4 mil (72%) municípios atingiram a meta. Mas cerca de 1.500 cidades ainda devem buscar alternativas para vacinar 95% do público-alvo até a sexta-feira (14), quando se encerra a Campanha Nacional de Vacinação.

Na faixa etária de 3 e 4 anos, a cobertura vacinal está acima da meta, com 96,95% e 95,44%, respectivamente. A maior preocupação é com faixa de um ano de idade, cuja cobertura ainda está em 85,45%.

O sarampo e a poliomielite são doenças infectocontagiosas que podem resultar em complicações graves para as crianças, além de levar até a casos de morte.

Confira os municípios que estão com a cobertura vacinal  de Pólio e Sarampo abaixo de 95%.

Para mais informações, acesse as páginas especializadas sobre sarampo, poliomielite e vacinação em geral no portal do Ministério da Saúde.

 

Informações Portal Ministério da Saúde
Canaã dos Carajás

Ações vão intensificar controle ao Aedes Aegypti e ao Mosquito Palha em Canaã

Outra ação que já está sendo realizada pela Secretaria Municipal de Saúde: é o treinamento de servidores públicos para atuarem como multiplicadores de conhecimento para a população
Continua depois da publicidade

Uma parceria entre as secretarias municipais de Saúde, Obras, Meio Ambiente e do Departamento de Postura de Canaã dos Carajás está investindo na qualificação das ações de combate aos mosquitos Aedes Aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika; e ao mosquito Palha, responsável por transmitir a leishmaniose. Os trabalhos, segundo o coordenador do Departamento de Vigilância em Saúde, Douglas Pacheco, vão se estender para vários bairros do município e acontecerão entre os meses de setembro e novembro.

A meta da Secretaria de Saúde, que encabeça a iniciativa, é reduzir os índices de transmissão das doenças combatendo os seus principais focos. “A equipe vai passar de casa em casa orientando sobre a leishmaniose visceral e sobre a dengue, chikungunya e zika. Além disso, também será feita a distribuição de sacos plásticos de lixo e a eliminação dos focos do mosquito, caso necessário. Nas casas situadas em locais de incidência de leishmaniose em humanos, a borrifação química também acontecerá.”

Além do trabalho nos bairros, as equipes intensificarão a conscientização nas escolas. O objetivo é orientar os alunos sobre os perigos da doença e as respectivas maneiras de se prevenir.

Outra ação que já vem sendo realizada pela Semsa (Secretaria Municipal de Saúde) é o treinamento de servidores públicos para atuarem como multiplicadores de conhecimento para a população.

Ainda segundo Douglas, a orientação é que, os moradores que tiverem entulhos em suas residências devem coloca-los para fora para que as equipes da Semob (Secretaria Municipal de Obras) façam o recolhimento. “Quando o mutirão de combate às doenças chegar a cada localidade haverá a divulgação por meio de carro de som para que os moradores fiquem atentos e nos auxiliem no trabalho”, reforçou.

Casos de leishmaniose na cidade

De janeiro até o início de julho deste ano o município já havia realizado 931 testes rápidos em cães, e, segundo o último relatório divulgado pela Semsa, 29 pessoas apresentaram diagnóstico positivo para Leishmaniose Visceral.

Até o momento, apenas uma morte foi confirmada em decorrência da doença. Uma criança de três anos veio a óbito após ser diagnosticada com leishmaniose. Ela foi encaminhada para tratamento no município de Tucuruí, sudeste paraense, mas faleceu no mês de junho.

Pará

Municípios do Pará devem prosseguir vacinação até atingirem meta

A prorrogação da campanha no Pará é uma determinação do Ministério da Saúde aos Estados que ainda não atingiram a meta.
Continua depois da publicidade

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) recomenda que os 144 municípios paraenses prossigam com a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo até o dia 21 de setembro, a fim de que o Pará atinja a meta de 95% preconizada pelo Ministério da Saúde. Até às 11h desta segunda-feira (3), o percentual de crianças vacinadas já havia chegado a 81% no Estado. Em Belém, a meta está em 76%.

A tendência é que esse número aumente porque o sistema do Programa Nacional de Imunizações (PNI) tem sido alimentado de forma contínua pelos profissionais dos municípios que executam a campanha, sobretudo com as doses aplicadas no decorrer do segundo Dia D da campanha, ocorrido no último sábado, 01 de setembro.

A prorrogação da campanha no Pará é uma determinação do Ministério da Saúde aos Estados que ainda não atingiram a meta. Apesar do órgão federal ter estipulado até o dia 14 de setembro, o Pará optou por seguir até o dia 21 para atender aos municípios que ainda estão com coberturas muito baixas. Nesse sentido, a Sespa orienta as Secretarias Municipais de Saúde a adotarem outras estratégias, como a busca ativa de crianças em escolas e nas residências por meio das equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF), além de flexibilização do horário de funcionamento de salas de vacinas em locais estratégicos.

A Campanha de Vacinação começou no dia 6 de agosto. Até às 11 horas desta segunda-feira, 29 de agosto, 485.697 doses de vacina contra a poliomielite foram aplicadas em crianças de todo o Pará e outras 485.618 serviram para prevenir o sarampo.

Para a poliomielite, as crianças que não tomaram nenhuma dose durante a vida devem receber a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). Já os menores de cinco anos que já tiverem tomado uma ou mais doses da vacina, receberão a Vacina Oral Poliomielite (VOP), a gotinha. Em relação ao sarampo, todas as crianças receberão uma dose da vacina Tríplice viral, independente da situação vacinal, desde que não tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

A Sespa orienta as Secretarias Municipais de Saúde a manter o sistema de informação devidamente atualizado para ter conhecimento da real situação da cobertura vacinal no Pará.

Segundo nota técnica do Ministério da Saúde, a intensificação dessa campanha deve-se a uma redução das coberturas vacinais verificada em todo o país em função de vários motivos, como o próprio sucesso do Programa Nacional de Vacinação, que causou no país a falsa sensação de que não há mais necessidade de se vacinar; o desconhecimento individual de doenças já eliminadas; horários de funcionamento das unidades de saúde incompatíveis com as novas rotinas da população; circulação de notícias falsas na internet e Whats App causando dúvidas sobre a segurança e eficácia das vacinas; bem como a inadequada alimentação dos sistemas de informação.

Em termos quantitativos, só no Pará, verificou-se queda para a cobertura de Poliomielite de 101,54% em 2011 para 66,21% no ano passado. A situação também foi recorrente com a imunização contra o sarampo, que atingiu uma cobertura de 109,25% em 2011 e só atingiu 69,90% do público alvo com as doses de Tríplice Viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba.

Segundo recomendação do Ministério da Saúde, a prioridade da campanha são as crianças de um até menores de cinco anos, que são mais vulneráveis às doenças e suas complicações. Para atender a esse público, o órgão federal enviou à Sespa 1,5 milhão de doses das três vacinas, sendo 41.830 mil doses da Vacina Inativada Poliomielite (VIP), 743.200 mil doses da Vacina Oral Poliomielite (VOP) e 713.500 mil da Tríplice Viral.

As doses já foram enviadas pela Sespa aos 13 Centros Regionais de Saúde, que fazem a distribuição aos municípios de abrangência para que a aplicação das vacinas seja feita nas Unidades Básicas de Saúde ou nas estratégias que julgarem eficientes.

A orientação é que a campanha seja indiscriminada, ou seja, que se vacine todas as crianças dessa faixa etária no país e para manter coberturas homogêneas de vacinação.

As metas alcançadas nos municípios paraenses podem ser pesquisadas por qualquer cidadão por meio do link

Governo do Pará

Canaã dos Carajás

Canaã rejeita adesão ao novo dia “D” de vacinação contra Pólio e Sarampo

Município vai bem na faixa etária de 2 a 4 anos, mas cobertura é baixa entre crianças de 1 ano de idade
Continua depois da publicidade

Canaã dos Carajás não vai aderir ao novo Dia “D” de vacinação contra poliomielite e sarampo, incentivada pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa). A informação foi repassada no início da tarde desta quinta-feira (30), pelo Departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) de Canaã dos Carajás.

A justificativa de a “Terra Prometida” não aderir ao cronograma da Sespa ao novo Dia “D” da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo neste sábado, dia 1º de setembro, é que está muito em cima para preparação da logística e mobilização de agentes e comunidade. “Até momento não temos nada planejado. Foi tudo decidido muito em cima e hora e não temos condições de fazer”, explicou Douglas Pacheco.

Canaã ultrapassou a meta para vacinar crianças de 2 a 4 anos de idade com as duas vacinas, mas fica devendo em relação às de um ano de idade. Até ontem, quarta-feira, 29, havia sido vacinadas apenas 47,32% das crianças na primeira faixa etária para Poliomielite. Entre as de 2 anos de idade, o município alcançou 107,27%; de 3 anos foram  107,72%; e as de 4 anos ultrapassou a meta em 104,63%. No total, foram apenas 81%, portanto, não tem a cobertura determinada pelo Ministério da Saúde.

Para Sarampo, Canaã também não foi bem na mesma faixa etária de um ano de idade. Apenas 46% das crianças previstas foram imunizadas; já as de 2 anos a metra foi ultrapassada, com 106%; as 3 anos foram 107,39%; e as de 4 anos foram 103,31% vacinadas. No total, 80% da meta atingida, quando o mínimo deveria ser de 95%.

No Pará, até esta quarta-feira (29), apenas 64% do público alvo havia aderido à imunização, pouco mais da metade da meta estipulada pelo Ministério da Saúde, que é garantir que pelo menos 95% das crianças até os cinco anos de idade recebam as doses das vacinas.

Até o momento, sem previsão de prorrogação, o município deve seguir o calendário inicial do Ministério da Saúde e encerrar nesta sexta-feira (31) a campanha em todas as Unidades Básicas de Saúde.

Público alvo

Segundo recomendação do Ministério da Saúde, a prioridade da campanha são as crianças de um até menores de cinco anos, que são mais vulneráveis às doenças e suas complicações. Para a poliomielite, as crianças que não tomaram nenhuma dose durante a vida devem receber a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). Já os menores de cinco anos que já tiverem tomado uma ou mais doses da vacina, receberão a Vacina Oral Poliomielite (VOP), a gotinha.

Em relação ao sarampo, todas as crianças receberão uma dose da vacina tríplice viral, desde que não tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

Ainda segundo a Vigilância em Saúde, até o início desta semana, apenas 47% de crianças de um ano haviam sido imunizadas contra Pólio (também conhecida como paralisia infantil), número que não corresponde nem à metade da meta estabelecida;  e cerca de 46% receberam imunização contra o sarampo. A baixa adesão nessa faixa etária atrapalha o município a atingir a meta no público geral, já que nas outras faixas etárias esse público foi ultrapassado. Nas faixas etárias com dois anos a cinco anos, mais de 100% do público alvo previsto já foi imunizado.

Os pais têm das 09h às 12h e das 15h até às 17h desta sexta-feira (31), para levar seus filhos a uma UBS da cidade munidos da caderneta de vacinação.

Canaã dos Carajás

Profissionais da saúde recebem novas ferramentas de trabalho para atuar em Canaã

Nove kits compostos por mais de 20 utensílios foram distribuídos às Unidades de Saúde da Família
Continua depois da publicidade

O material chegou às mãos dos profissionais da saúde de Canaã dos Carajás nesta terça-feira (28), doado pela Vale e pela Fundação Vale, por meio do Programa Ciclo Saúde. Um total de nove kits compostos por mais de 20 utensílios foram distribuídos às Unidades de Saúde da Família e, são, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, essenciais para a sensibilização da comunidade na prevenção de doenças e educação sexual dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), além de contribuírem bastante nas ações educativas, deixando as palestras mais atrativas e com maior aproveitamento entre a comunidade.

Por meio da mineradora e da Prefeitura Municipal, o Ciclo Saúde atua no município desde 2014, em parceria com o Centro de Promoção da Saúde (Cedaps). O programa tem contribuído para o fortalecimento de uma política pública estratégica para o município, a Atenção Básica, desde a disponibilização de equipamentos e mobiliários para as unidades básicas de saúde à implantação de um Núcleo de Educação Permanente com a capacitação do corpo técnico. Além do fornecimento de assessoria de técnicos especializados para apoiar na elaboração do Plano de Saúde e do Protocolo de atendimento do município nas UBS.

No total, já foram repassados 384 equipamentos e mobiliários, como balanças estetoscópios, aparelhos de nebulização e de pressão, além de geladeiras para conservar vacinas e mesas para exames clínicos e ginecológicos nas 10 unidades básicas de saúde.  Em junho deste ano, foram realizadas oficinas que abordaram temas como o acolhimento, ou seja, a escuta qualificada e classificação de risco, etapa do atendimento em que é feito encaminhamento técnico e qualificado, conforme a urgência e gravidade apresentada pelo paciente. A empresa apoiou também a reforma do hospital municipal.

Com as novas ferramentas já à disposição, os profissionais já podem iniciar os trabalhos de ações educativas munidos de mais acessórios que auxiliarão nas ilustrações e facilitarão a interação e a comunicação entre usuários e palestrantes.

Breu Branco

Prefeitura de Breu Branco entrega novos veículos para a Saúde

Os novos veículos vão reforçar os serviços da Vigilância Sanitária, Programa da Saúde da Família, Atendimentos na Zona Rural e Controle de Endemias
Continua depois da publicidade

O prefeito do município de Breu Branco, no sudeste do Estado, Garcês Costa, reforçou a frota de veículos da Secretaria Municipal de Saúde. Os veículos servirão à Vigilância Sanitária, Programa da Saúde da Família, Atendimentos na Zona Rural e Controle de Endemias. A cerimônia aconteceu na segunda-feira, 27. “Transportar com mais rapidez e agilidade os materiais de consumo, auxiliar nos deslocamentos dos profissionais e promover as visitas às unidades de ESF, além ser um facilitador para o atendimento às demandas frequentes de transporte de equipamentos, estão entre as vantagens dessa nossa aquisição, que servirá toda a população”, explicou o prefeito.

Garcês reforçou o ganho que a administração terá com os novos veículos. “É preciso, primeiramente, ressaltar que os carros foram comprados com recursos próprios do governo municipal e federal e comprovam a gestão planejada da Secretaria que, apesar das dificuldades, ampliou os serviços oferecidos à sociedade e ainda está promovendo melhorias com a aquisição de novos equipamentos, fortalecendo as estratégias de cobertura em saúde”.

A compra dos veículos feita pela Prefeitura Municipal de Breu Branco, através da Secretaria de Saúde e Governo Federal, vai servir para reforçar os serviços da Vigilância Sanitária, Programa da Saúde da Família, Atendimentos na zona Rural e Controle de Endemias, além de outros setores.

“Nós lutamos para fortalecer as parcerias e trazer benefícios para nossa população. As parcerias na gestão são fundamentais para ter uma saúde de qualidade. Esses resultados só estão sendo possíveis com o apoio dos nossos servidores, que trabalham de forma competente e tem se empenhando por melhorias para Breu Branco”, finalizou prefeito Garcês Costa.

Por Antônio Barroso
Foto/ Divulgação