Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Entidades realizam aula de manejo e multiplicação das abelhas nativas do Brasil

Objetivo foi estimular a apicultura e levar conhecimento sobre a vida e os hábitos das abelhas
Continua depois da publicidade

Foi com o objetivo de partilhar conhecimento que a Associação Novo Encanto de Desenvolvimento Ecológico, em parceria com a Ufra (Universidade Federal Rural da Amazônia) e Ceap (Centro de Educação Ambiental de Parauapebas), que aconteceu, na manhã deste domingo (25), aula pratica de manejo e multiplicação das abelhas nativas do Brasil.

Romário Silva Gomes, monitor da Novo Encanto, avaliou o evento como produtivo, tanto pelo número de participantes, cerca de 150, quanto pelo conteúdo das palestras e ainda a aula prática. “A Novo Encanto, em Parauapebas, tem alguns objetivos com o investimento em meliponário, sendo um deles a conservação das abelhas nativas do Brasil, educação ambiental e a produção ambiental”, detalha, mensurando que os rendimentos advindos da produção do mel beneficiarão a entidade e a comunidade.

O evento iniciou as 7h30 com a apresentação das instituições participantes, com destaque para a Novo Encanto, entidade anfitriã, seguido de café da manhã. O próximo ato foi uma palestra com a professora Rafaela Castro, com formação em Zootecnia, que contou particularidades da vida das abelhas em comunidade e ainda de como atuam em favor do meio ambiente através da polinização e conservação de espécies de plantas e produção de flores e frutos.

Depois foi momento de ir a campo em aula pratica com a técnica agrícola Izabel Maria, especialista em educação ambiental. Na aula prática a ideia foi envolver os alunos da Ufra e Ceap para entenderem como se dá a multiplicação das abelhas e ainda realizar a captura de novos indivíduos para gerar mais produção de mel.

Assim, foi realizada a montagem de novas caixas e mudança nas já existentes, sendo duas de uruçu preta e uma de marmelada amarela, ambas genuinamente brasileiras e do tipo sem ferrão. “O primeiro passo é levar ao conhecimento do produtor que é possível trabalhar sem ser agredido pelas abelhas, além de fazê-los entender a importância delas na polinização. Só depois perceberão que o lucro na produção do mel vem como consequência das floradas que só é possível com a preservação do meio ambiente”, explicou Izabel Maria, contando que nota interesse em muitas pessoas em iniciar a atividade em Parauapebas, região e Brasil afora.

Tucuruí

Proposta quer transformar estrutura de Belo Monte em polo universitário no Pará

A Vila Residencial que abrigou os trabalhadores durante a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na região oeste do Pará, pode ser transformada em Polo Universitário.
Continua depois da publicidade

A empresa Norte Energia, responsável pela obra, deu início aos trâmites de doação de toda a estrutura para a implantação da cidade universitária que contará com mais de 2.300 moradias.

A proposta surgiu através da moção parlamentar 381/2017 de autoria do deputado estadual Eraldo Pimenta (MDB) e aprovada por unanimidade pelos parlamentares na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa).

A Vila Residencial dos trabalhadores de Belo Monte, localizada na esquina do “Travessão 55”, município de Vitória do Xingu, está estruturada com sistema de água, esgoto, energia elétrica, meio fio, área de lazer, escola, centro comercial, telefone e ruas asfaltadas. A estrutura, segundo engenheiros, tem valor estimado em mais de 300 milhões de reais.

A distância da vila até Altamira, maior cidade da rodovia Transamazônica, a BR-230, é de 57 quilômetros, cerca de uma hora de estrada.

NOVOS RUMOS
Após o término da construção da usina, o projeto inicial era demolir as casas para a criação de uma área de proteção ambiental (APA).

Transformada em Polo Universitário poderá abrigar estudantes da Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade do Estado do Pará (UEPA) e Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), os maiores centros de ensino superior público do Estado.

O autor da moção, deputado Eraldo Pimenta, entregou a proposta ao presidente da Norte Energia, Paulo Roberto, que submeteu à diretoria executiva e ao conselho da Empresa.

A Norte Energia só está agora a espera do donatário que pode ser o governo estadual ou federal sendo que o governo do Estado já está em mãos dos documentos com o projeto.

“A ideia se originou quando fiz uma visita à vila dos trabalhadores da Barragem Belo Monte, que é na realidade uma cidade toda estruturada, e está pronta para ser transformada em uma “Cidade Universitária”, explicou o parlamentar.

O uso do espaço, na visão do deputado, deverá baratear o custo das despesas de quem pretende cursar ou ver os filhos em uma universidade. Os recursos para a manutenção também foram indicados.

“A estrutura pode ser mantida de diversas formas. Poderemos tirar de um percentual da taxa hídrica ou taxa mineral ou Royalties do Estado que gera da hidrelétrica. E não seria tanto pois poderiam fazer economia mista, exemplo: os pais bancariam a alimentação e o corpo docente pago pelo Estado. O que vejo é a estrutura que não tem igual no Pará que poderíamos usá-la para esse fim. Poderá ser a maior estrutura educacional do Brasil, atraindo inclusive alunos de todo o país”, finalizou Eraldo Pimenta.

Parauapebas

Vereadores aprovam oito propostas na sessão ordinária desta terça-feira (19)

Entre elas, está a indicação do vereador Luiz Castilho (PROS), para urbanismo e paisagismo da Avenida Faruk Salmen até a rotatória da PA-160
Continua depois da publicidade

Em 18ª reunião ordinária, realizada na manhã desta terça-feira (19), na Câmara Municipal de Paraupebas, foram votadas por unanimidade pelos 12 vereadores presentes, oito matérias propostas pelos membros da casa legislativa.

As propostas são: construção de um estacionamento na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA); construção de uma quadra esportiva na UFRA; criação do cargo de pedagogo social para atuar junto à Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) e à Secretaria de Segurança Institucional (Semsi); recuperação asfáltica da Rua Liberdade, no perímetro entre a Caixa Econômica (no Beira Rio II) e a loja Havan; construção de uma praça com academia a céu aberto e playground na Vila Nova Esperança CEDERE I; interligação da Rua São Mateus, no bairro Betânia, com a Avenida “A”, no bairro Jardim Canadá; urbanismo e paisagismo da Avenida Faruk Salmen até a rotatória da PA-160; e políticas públicas de pavimentação com estabilização e hipermeabilização do solo, com produtos derivados da baba do cupim, nas estradas da zona rural e área urbana do município.

Sobre a sua indicação para urbanismo e paisagismo da Avenida Faruk Salmen até a rotatória da PA-160, o vereador Luiz Castilho (PROS), justificou a necessidade de construção e manutenção de calçadas entre o Shopping Carajás e a delegacia, a construção de quadra poliesportiva e de quadra para prática de esportes na areia, no trecho entre a delegacia e a rotatória da PA-160, além da construção de academias ao ar livre, no mesmo trecho citado acima.

Como destacou o vereador, esta indicação tem a finalidade de proporcionar maior conforto e segurança aos moradores e transeuntes daquela localidade. “Nestes espaços, é comum encontrarmos muitas pessoas fazendo caminhadas ou jogando futebol em locais improvisados. Além disso, os espaços a serem implantados serão excelentes opções de lazer para moradores e usuários, bem como irão embelezar os espaços, que hoje estão obsoletos”.

Parauapebas

UFRA mostra a importância da ecologia a alunos da Escola Chico Mendes

Acadêmicos da Universidade Federal Rural da Amazônia passaram o dia com as crianças, palestrando e levando conhecimento a elas
Continua depois da publicidade

Dentro das comemorações da Semana da Árvore, a Escola “Chico Mendes” promoveu, nesta quinta-feira (22), o evento denominado “UFRA na Comunidade”, com os acadêmicos e professores dos diversos cursos de graduação oferecidos pela Universidade Federal Rural da Amazônia, em Parauapebas. Rafaela Castro, professora do curso de Apicultura e Meliponicultura, disse que a instituição atendeu a um convite da escola e da Secretaria de Meio Ambiente e estava presente para mostrar às crianças a importância da preservação da natureza. Cerca de 50 alunos e outros professores participaram do evento, que começou pela manhã encerrando às 16 horas.

“Trouxemos para o evento exemplares de espécies de abelhas nativas da região amazônica e uma caixa de vidro com abelha com ferrão, aquela mais comum, da qual todos consomem o mel, a apis mellifera”, explicou ela, completando; “É para mostrar para as crianças, desde a infância, a importância das abelhas no quesito ecológico, na sustentabilidade. A importância ecológica delas como polinizadoras na produção de alimentos”.

Rafaela disse que os acadêmicos mostraram aos alunos da “Chico Mendes” que as abelhas tanto produzem o e mel, como alimento, quanto depende delas a produção de grãos e frutas, pois são elas que polinizam as plantas. “As crianças são muito curiosas e perguntam com se extrai o mel. Os acadêmicos mostram como se faz e explicam que o motivo criá-las em caixas é uma forma de mantê-las vivas”, detalha a professora. “Ao contrário do que faziam antes os antigos, quando colhiam o mel e depois botavam fogo na colmeia”, lembrou.

Ueslei Xaveir, 24 anos, acadêmico do 2º período de Engenharia Florestal, disse que sua turma levou um projeto de paisagismo utilizando garrafas pet recicláveis, para decorar casas que não têm um quintal amplo. “As garrafas são cortadas, pela metade, coloca-se adubo e areia e planta-se espécies pequenas. As garrafas podem até ser pintadas, ficam mais bonitas”, explicou ele. O acadêmico disse que é importante informar a população sobre o meio ambiente e também sobre reciclagem: “É um grande prazer informar a sociedade”.

Katiane dos Santos Nascimento, 22, também do curso de Engenharia Florestal, estava proferindo palestra aos alunos da escola e mostrando a riqueza de plantas medicinais do país, alertando, entretanto, que elas não podem ser usadas sem indicação, de qualquer maneira, sob risco de a pessoa passar mal e até morrer. “Sempre é bom usar aquelas que já passaram por um processo químico e, assim mesmo, aquelas mais conhecidos, camomila, carqueja e outras”, A acadêmica disse ainda que na rica flora brasileira é possível até encontrar a cura para o câncer.

 

Reportagem: Ronaldo Modesto

Belém

Pará com foco em Sustentabilidade

Importantes iniciativas para o desenvolvimento social, sustentabilidade e pesquisa em biodiversidade serão destaque no dia 31, na capital.
Continua depois da publicidade

No dia 31 de outubro, Belém receberá dois eventos relevantes no campo da sustentabilidade: Seminário do BRC – Biodiversity Research Consortium (Consórcio de Pesquisa em Biodiversidade Brasil- Noruega) – que acontecerá no Museu Emílio Goeldi, e a Conferência Ethos, que acontecerá no Estado pela primeira vez.

Além destes dois importantes eventos, a data também foi escolhida para a assinatura da renovação do acordo de colaboração que renova o investimento no BRC por mais cinco anos. A parceria envolve a Universidade Federal do Pará (UFPA), a Universidade Rural da Amazônia (UFRA), o Museu Paraense Emilio Goeldi, a Universidade de Oslo (UiO) e empresa Norsk Hydro.

Colaboração internacional de pesquisa sobre biodiversidade

Desde 2013, a iniciativa proposta e mediada pela Hydro, companhia global de alumínio, com três empresas instaladas no Pará – a Hydro Alunorte e Albras, em Barcarena, e a Hydro Paragominas – já alcançou resultados inéditos no Nordeste do Estado – região onde a empresa opera a lavra da bauxita – com foco na reabilitação florestal e no levantamento das espécies, entre fungos, insetos, seres aquíferos e mamíferos.

Na primeira etapa do convênio, nos últimos quatro anos, os estudos apoiados pelo convênio registraram duas espécies novas de insetos na Amazônia: uma vespa e um percevejo. Além de ter possibilitado a descoberta de três novas espécies de fungos, oito novas ocorrências de espécies de fungos no Brasil e três novas ocorrências de espécies de fungos para a Amazônia.

A parceria também gerou treze projetos de pesquisas aprovados, relacionados a diversos temas: gases de efeito estufa, fungos, crustáceos, peixes, aves, mamíferos, flora, botânica solos, insetos, entre outros. No total, participam do convênio cerca de 100 profissionais: doutores, mestrandos, estudantes de graduação e técnicos, que vêm produzindo trabalhos científicos, com cinco dissertações de mestrado concluídas e outras 22 pesquisas, que serão publicadas ainda este ano.

“A Hydro é consciente de seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e de longo prazo. Por isso, acreditamos a importância deste convênio que promove a colaboração, buscando soluções que recuperem as áreas degradadas e devolvendo à natureza um ambiente igual ou melhor do que encontrado antes de uma operação de mineração”, acredita Silvio Porto, Vice-Presidente Executivo, Bauxita & Alumina da Hydro.

Para a cerimônia de renovação do consórcio BRC, estarão presentes o embaixador da Noruega, Nils Martin Gunneng, as lideranças da Hydro no Brasil, autoridades do Governo do Estado e os reitores e diretores das instituições de pesquisa, que assinam o acordo e viabilizam o programa por mais cinco anos, demonstrando os esforços da Hydro em estabelecer pesquisas na Amazônia.

Conferência Ethos 360 – Sustentabilidade e Desenvolvimento Social em discussão

Em linha com os esforços da Hydro de contribuir no desenvolvimento de soluções sustentáveis para a cadeia do alumínio no Pará, a empresa é uma das patrocinadoras da Conferência Ethos 360 Belém, primeira edição promovida na capital paraense, que acontecerá no mesmo dia da assinatura do convênio BRC, na próxima terça-feira, 31, no Hangar.

A Conferência Ethos é um dos mais importantes fóruns de discussão e engajamento de empresas do País, reunindo cases bem-sucedidos de empreendimentos responsáveis.

A Hydro terá participação em três painéis para discussão de temáticas socioambientais. A começar pelo painel Grandes obras, crescimento e impactos socioambientais, trocando experiências ao lado de outras grandes empresas que operam no Estado, e lideranças de comunidades tradicionais.  “O compromisso da Hydro com o estado do Pará é de longo prazo e isso nos leva a uma busca incessante pelo desenvolvimento de técnicas e soluções que resultem numa operação responsável, que dê sustentabilidade aos projetos e desenvolva as comunidades do entorno”, disse de Domingos Campos, diretor de HSE & CSR das operações da Norsk Hydro no Brasil.

À tarde, a Hydro apresenta o painel Governança territorial: um caminho para a sustentabilidade e engajamento das comunidades, levando os exemplos e os desafios de operar com responsabilidade uma das maiores lavras de bauxita do mundo e a maior refinaria de alumina do planeta, a Hydro Alunorte.

Para encerrar a participação na Conferência com chave de ouro, a Hydro apresenta o painel. O estímulo à pesquisa e iniciativas de reabilitação florestal, biodiversidade e clima reunindo experiências das empresas na área do conhecimento sobre a Amazônia, com integrantes do próprio BRC, que nos últimos quatro anos apresentou resultados relevantes, e que vem contribuindo para o desenvolvimento de estudos na recuperação de florestas em áreas mineradas. “No momento que vivemos no Brasil, acreditamos que é ainda mais importante obter apoio dos pesquisadores, especialmente com o foco em um tema tão relevante como o reflorestamento na Amazônia”, completa Domingos.

A Hydro e o Pará – Para Sempre

A Hydro é uma empresa global de alumínio, com uma história substancial no Pará. Embora sediada na Noruega, os maiores e mais importantes ativos da companhia estão no estado do Norte do Brasil: em Paragominas, sudeste paraense, fica a mina de bauxita e, em Barcarena, na região nordeste, está a refinaria de alumina Hydro Alunorte e a fábrica de alumínio primário Albras. Juntas, essas empresas constituem um dos exemplos mais fortes de verticalização atualmente no estado.

Em 2014, a Hydro apresentou seu posicionamento estratégico, o “Para Sempre”, e o compromisso de ficar no estado que acolheu a empresa.  A Hydro investiu cerca de R$ 9,5 bilhões nos últimos 12 anos no Pará, e atualmente emprega – direta e indiretamente – 8.500 pessoas nas unidades Hydro Paragominas, Hydro Alunorte e Albras.

efeméride

UFRA realiza palestras em comemoração ao Dia do Agrônomo

Bovinocultura e Cooperativismo no sudeste do Pará são alguns dos temas do evento
Continua depois da publicidade

Por Dayse Gomes

Os estudantes do Curso de Agronomia da Universidade Federal Rural da Amazônia, no campus de Parauapebas, participam nesta terça-feira, dia 10, do InterAgro, 1º Evento de Integração do Curso de Agronomia na cidade.

As palestras realizadas também serão direcionadas aos produtores rurais e os profissionais da agronomia. A EMATER – Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará – é um dos órgãos convidados pela UFRA para realizar a palestra sobre a atuação dela no estado. Os temas como a importância da assistência técnica nas propriedades rurais, a bovinocultura no sudeste do Pará e o Cooperativismo entre os produtores rurais na região de Carajás são alguns dos assuntos que serão abordados no evento.

O InterAgro busca levar as informações atualizadas sobre a agronomia, e promover a troca de experiencias entre as empresas e os profissionais. O credenciamento começa a partir das 7h da manhã, no Campus da UFRA de Parauapebas.

Educação

Ministros Helder Barbalho e Mendonça Filho articulam a implementação de novos cursos de ensino superior em Parauapebas

Saúde é um dos principais setores a serem beneficiados pela iniciativa, que visa gerar oportunidades a jovens estudantes paraenses
Continua depois da publicidade

Os ministros da Integração Nacional, Helder Barbalho, e da Educação, José Mendonça Filho, se reuniram nesta quinta-feira (24) para viabilizar a implementação de novos cursos de ensino superior aos estudantes do município de Parauapebas, no Pará.  O objetivo da iniciativa é gerar novas oportunidades aos jovens paraenses, sobretudo na área de saúde, e com isso estimular o desenvolvimento regional. A reunião contou com a presença do prefeito da cidade, Darci Lermen, que informou que o projeto vem sendo planejado já há algum tempo, e do reitor da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Marcel Botelho.

“Estamos trabalhando para viabilizar mais oportunidades aos jovens paraenses, sobretudo nas áreas de saúde, uma demanda latente no estado. Esta parceria com o Ministério da Educação nos faz vislumbrar a possibilidade, de que em futuro próximo, esta importante iniciativa seja concretizada”, ressaltou o ministro da Integração, Helder Barbalho.

Para o ministro da Educação, José Mendonça, a iniciativa contribui para a expansão do ensino superior no Pará. “Tendo em vista as vastas possibilidades geradas pelos avanços no ensino superior, decidimos apoiar este projeto e criar uma estrutura que possibilite ainda mais o crescimento para a região de Parauapebas”, afirmou.

O prefeito da cidade destacou que este é um passo muito significativo para o desenvolvimento sustentável da região. “Esta é a realização de um projeto que vem sendo planejado ha bastante tempo. Agora é hora de trabalharmos intensamente para avançarmos neste projeto e colocar em prática tudo aquilo que sonhamos para os nossos jovens”, enfatizou Darci Lermen.

Parauapebas

UFRA desenvolve projeto de produção animal com comunidade da APA do Igarapé Gelado

Artigos acadêmicos deverão ser apresentados em eventos regionais e nacionais sobre a temática da pesquisa.
Continua depois da publicidade

A Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), em Parauapebas, realiza pesquisa para o desenvolvimento de projetos de criação de animais na Unidade de Conservação APA do Igarapé Gelado. Os trabalhos são conduzidos pelo Grupo de Estudos em Avicultura e Coturnicultura de Carajás (GEAVIC), que conta com 16 integrantes, sendo dois professores da universidade e os demais alunos dos cursos de graduação em Agronomia e Zootecnia. A pesquisa conta também como o apoio da equipe gestora do ICMBio e de um técnico agrícola da Secretaria Municipal de Produção Rural (SEMPROR).

“A pesquisa teve início em março deste ano e tem por objetivo traçar um perfil da produção animal realizada na localidade. Queremos apresentar à comunidade acadêmica e profissionais liberais as oportunidades de trabalho que existem nessa região. Há uma ideia errônea de que não é possível criar animais de produção em Unidades de Conservação. Porém, a Apa do Igarapé Gelado prevê essa atividade em seu plano de manejo, exigindo de seus produtores que qualquer atividade de produção animal seja sustentável para reduzir ao máximo os impactos sobre o meio ambiente”, informou a professora da UFRA, Francislene Silveira Sucupira, que integra o GEAVIC.

De acordo com a professora, o grupo está concluindo a fase inicial da pesquisa, que se trata da coleta e análise de dados e respectiva preparação de artigos acadêmicos, que inclusive deverão ser apresentados em eventos regionais e nacionais sobre a temática. “Estamos visitando as propriedades, conhecendo os produtores, identificando suas demandas e anseios. Além disso, fazemos um diagnóstico do nível de tecnificação e produtividade das propriedades, para identificar possíveis técnicas de produção a serem aplicadas para melhorar o desempenho e o retorno econômico, mantendo ainda a sustentabilidade dos sistemas produtivos. Além dos produtores, os alunos têm grande crescimento por conhecer a realidade local e a forma de se trabalhar diretamente com o produtor rural. Os produtores têm sido super receptivos e estão esperando ansiosamente a apresentação dos resultados”, relatou.

“Após esta etapa, que é a primeira fase do projeto, iremos focar a atenção do nosso grupo aos produtores de aves. Tendo em vista que a avicultura caipira é uma atividade de baixo impacto sobre os recursos naturais, encaixa-se perfeitamente nos objetivos da unidade e atende a necessidade de uma parcela significativa dos produtores da APA, que atualmente precisa de outras alternativas econômicas”, acrescentou.

Ao final do projeto a proposta de trabalho ,que poderá ser implementado na Unidade de Conservação será apresentada para o Conselho Consultivo da Apa, Associação de Produtores da Apa do Igarapé Gelado (APROAPA) e Associação Filhas da Terra. “Esta é talvez a etapa mais importante do trabalho, momento no qual damos o retorno do nosso trabalho aos parceiros e aos produtores envolvidos, que são nosso público alvo”, afirma Francislene Silveira Sucupira.

Sobre a importância de projetos como este, o Chefe da Floresta Nacional  de Carajás, Marcel Regis Moreira, destaca que “o conhecimento que a UFRA traz, a medida com que desenvolve projetos e pesquisas dentro das Unidades de Conservação, faz com que a população conheça que essas áreas têm um grande potencial para geração de emprego e renda, fazendo com que as pessoas tenham um maior sentimento de pertencimento sobre essas áreas, ajudando assim o ICMbio a melhor gerir as Unidades de Conservação e inclusive a protegê-las”.