Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
polícia

Parauapebas: Dupla confessa roubo de utensílios em loja de departamentos, mas segue em liberdade

Apesar das imagens das câmeras de segurança, não houve flagrante nem a gerência do estabelecimento prestou queixa na DP
Continua depois da publicidade

Moisés dos Santos Costa, 38 anos, e Júnior da Silva foram presos na manhã de domingo (18), acusados de furtar duas furadeiras e um ferro de passar, no interior das Lojas Americanas, na Rodovia Faruk Salmen, Bairro Cidade Nova, Parauapebas. De acordo com a polícia, a dupla entrou no estabelecimento praticou o furto e os funcionários não perceberam. Porém, após deixarem o estabelecimento, quando caminhavam pela Rua A, uma mulher chamou a polícia ao ver Moisés Santos colocar uma das furadeiras dentro da mochila que carregava. Ela pensou se tratar de uma arma de fogo e ficou apavorada.

A PM, de imediato atendeu ao chamado e abordou a dupla, indagando sobre o que levavam na mochila. Eles disseram que eram duas furadeiras e o ferro e contaram haviam furtado de uma loja próximo do local.

Os dois, então, foram levados à loja, onde os funcionários ficaram surpresos, pois não haviam percebido o furto, mas, ao olhar as imagens das câmeras de segurança, constataram a veracidade do caso. Em seguida, a PM apresentou os dois na Delegacia de Polícia Civil.

Veja também:  Homem preso em flagrante acusado de roubo a uma residência em Canaã dos Carajás

Ouvido pela reportagem, Moisés Costa contou que não foi a primeira vez que furtou naquela loja, disse que é usuário de drogas e que teria furtado para vender os utensílios e pagar seu aluguel.  “Eles vacilaram e eu peguei as ferramentas e coloquei na cueca e saímos de boa. Se não fosse a polícia nos abordar, teríamos conseguido”, contou o acusado.

Depois de passarem o dia todo na cela de transição da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, no final da tarde os dois foram ouvidos em depoimento e em seguida liberados, uma vez que não houve flagrante nem os responsáveis pelo estabelecimento comercial prestaram queixa.

(Caetano Silva)

Deixe uma resposta