Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Legislativo

Tucuruí: Após pedido de vista, vereadores devem criar CPI para cassar prefeito afastado na próxima sexta-feira

O suplente Deley Santos, convocado para substituir o vereador Lucas Brito, irmão do prefeito afastado, pediu vista por desconhecer o processo
Continua depois da publicidade

Ficou para a próxima sexta-feira (24), às 10 horas, a Sessão Extraordinária que vai definir sobre a abertura do processo que poderá cassar o mandato do prefeito afastado Artur de Jesus Brito (PV). Em sessão polêmica, os vereadores de Tucuruí optaram por não apreciar hoje (21) o pedido de abertura de CPI que pode terminar na cassação do executivo.

O pedido foi feito pelo vereador Weber Galvão (PMDB), irmão do ex-prefeito assassinado Jones William. O documento expõe indícios da existência de interesse de Artur na morte de seu antecessor, assassinado em julho deste ano enquanto vistoriava uma obra na estrada de acesso ao aeroporto.

A mãe do prefeito, Josineide Brito está presa temporariamente por suspeita de envolvimento no assassinato do prefeito anterior. Mais três pessoas foram presas durante a operação que investiga a morte do prefeito.

Rony Santos (PSC), presidente interino da Câmara, disse que a população quer uma resposta da Casa de Leis. Contudo, lembrou que é preciso cumprir o Regimento Interno da CMT e, por isso, a decisão da abertura da CPI foi adiada para a próxima sexta-feira. Ele explicou que foram convocados os suplentes dos vereadores Weber Galvão, o denunciante, e Lucas Brito, irmão do prefeito afastado Artur Brito e também citado na denúncia, já que eles, diretamente envolvidos, não podem votar.

Os suplentes Deley Santos (PV) e Marcelo Campos (PMDB) substituíram os vereadores Lucas Brito, irmão do prefeito afastado, e Weber Galvão (PMDB), autor do requerimento contra o prefeito afastado.

A votação da abertura do processo de cassação foi adiada, pois o suplente Deley Santos (PV) alegou desconhecer o conteúdo das denúncias e pediu para avaliar o processo. Marcelo Campos não compareceu à Sessão. O pedido de vista foi aprovado pelos demais vereadores na sessão.

Na sexta-feira eles retomam as discussões do processo e devem realizar a votação da abertura ou não de CPI. “Estamos aqui para defender os interesses da população, mas de forma correta, sem que sejamos levados pela emoção. Vamos tomar a decisão de forma coerente e pautada nas provas que serão apresentadas”, declarou o presidente.

Veja também:  Comissões recomendam cassação do mandato do prefeito Zé Martins

Em áudio compartilhado pelos tucuruienses via aplicativo de mensagens, Marcelo Campos disse que não participou da sessão porque até então não havia sido informado sobre o pedido para que assumisse o cargo de vereador. “Além disso, por lei, eu teria que ser exonerado para assumir a função de vereador, já que estou secretário de Serviços Urbanos, e isso não aconteceu”, justificou.

Deley Santos disse que pediu vista ao processo para que pudesse se inteirar sobre o tema e poder votar com responsabilidade. O suplente disse estar avaliando todo o processo e alegou não saber do que se tratava a denúncia. “Pedi vista, já que fui chamado ontem às 18h e não dispunha de subsídios para votar em uma matéria que não tenho conhecimento. Não vim para defender ou acusar ninguém e na sexta-feira estrei preparado para votar com responsabilidade”, justificou o vereador.

Weber Galvão, irmão do ex-prefeito assassinado disse que existe uma manobra política dentro da Câmara para engavetar a denúncia, protocolada há 15 dias. “Perderam a cópia do DVD com as provas e tive de registrar Boletim de Ocorrência para poder dar continuidade ao processo. Esta casa de Leis perde a oportunidade de fazer a justiça. O povo quer justiça”, declarou o vereador.

Artur Brito está afastado do cargo desde a última segunda-feira (13) sob suspeita de improbidade administrativa. A decisão do juiz Pedro Henrico de Oliveira, da 1ª Vara Cível de Tucuruí afastou, além do prefeito, o chefe de gabinete e o secretário de obras de Tucuruí.

Lideranças comunitárias e partidárias acamparam na noite desta segunda-feira (20) para pressionar os vereadores a votarem pela cassação de Artur Brito. Na próxima sexta-feira, os líderes ameaçam fechar a BR-422 caso a votação termine em “pizza”.

O prefeito afastado recorreu da decisão e ainda esta semana a justiça deve dar parecer quanto ao pedido de reintegração ao cargo. O presidente da Câmara Municipal, Benedito Couto (PROS) assumiu interinamente o cargo de prefeito.

Deixe uma resposta