Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!

Artigo: Desmistificando os implantes hormonais

Por Dr. Ricardo Wagner ( * )

Vocês já ouviram falar em implantes hormonais? Muitas de vocês certamente já, e talvez até já o tenham usado, pois há alguns anos a Secretaria de Saúde de Parauapebas disponibilizou um desses implantes como método anticoncepcional. Muitas se adaptaram bem, outras nem tanto. Isso porque o implante disponibilizado pela prefeitura tinha um inconveniente, um sangramento irregular que é muito comum com ele e por isso muitas optaram por retirá-lo.

Sabiam que os implantes são o método anticoncepcional mais seguro, bem mais seguro que a laqueadura ou a vasectomia? Enquanto na laqueadura a chance de gravidez é de 1% no implante, essa chance no implante hormonal é de apenas 0,05%, sendo ele, então, vinte vezes, isso mesmo, vinte vezes mais seguro.

No mercado existem vários hormônios que podem ser manipulados sob a forma de implantes e assim serem usados como método anticoncepcional, e cada um destes têm um custo e uma duração diferente. No caso do implante disponibilizado pela prefeitura de Parauapebas, ele tinha a duração de três anos. Mas existem implantes que duram seis meses e até 1 ano.

Os ovários das mulheres produzem várias substâncias importantes, dentre essas, duas são de fundamental importância para elas, que são os hormônios femininos Estrogênio e Progesterona.

O Estrogênio é o responsável pelas características físicas da mulher, como o desenvolvimento das mamas, a distribuição da gordura e dos pelos do corpo (que são diferentes da distribuição do homem).

Já progesterona, como o próprio nome diz, é derivado da palavra pro gestare e é o grande responsável pela manutenção da gravidez. Porém, quando a mulher não engravida, ele é o causador do inchaço que antecede o período da menstruação, gerando o desconforto mamário e as dores de cabeça, entre outros sintomas.

A maioria dos métodos anticoncepcionais existentes, seja ele comprimido, injeção, adesivos, anel vaginal, têm como base a progesterona, por isso algumas pacientes ficam um pouco mais inchadas quando o usam. Dos implantes utilizados para evitar a gravidez, o que as mulheres mais procuram é um chamado gestrinona, que também é o mais caro de todos e tem duração de mais ou menos 1 ano.

E porque ele é o mais desejado? Primeiro porque dificilmente causa sangramento irregular. Mas seu grande segredo está no universo das mulheres que frequentam as academias. Essas mulheres descobriram um efeito colateral da gestrinona, que era o que elas buscavam, um corpo mais perfeito. Ela aumenta o metabolismo destas mulheres acelerando a queima de gordura e criando mais músculos, ficando, então, mais facilmente com a barriga “chapada” e as pernas mais grossas e sem celulite. Outro efeito colateral da gestrinona, mas neste caso quem desfruta é o marido é que ela aumenta o apetite sexual da mulher.

Então eu só tenho a ganhar com o uso da gestrinona? Não, tudo na vida tem seu preço! Ela também tem efeitos colaterais, que não são desejados pelas mulheres, são eles: mudança no tom de voz, que vai ficando mais rouca e grave; aumento da oleosidade da pele, provocando acne; probabilidade de engrossar o cabelo.

Por isso, nem todas as mulheres são candidatas a este tipo de implante. Imaginem uma cantora que ganha sua vida com a voz e ao usar o implante não consegue mais cantar no mesmo tom. Por isso é importante uma avaliação médica para saber qual o melhor tipo de implante anticoncepcional para o seu perfil. O implante que a sua amiga usa talvez não seja o ideal para o seu estilo de vida e o seu biótipo.

Na medicina existem, ainda, outras aplicações para os implantes, como tratamento de menopausa; andropausa (menopausa do homem); e problemas de tireoide, entre outros, mas isso abordaremos em uma próxima conversa.

( * ) – especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Associação Médica Brasileira – AMB – e pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia – FEBRASGO. Atende em Parauapebas na Rua C, nº 300, esquina com Rua 4, bairro Cidade Nova.

Deixe uma resposta