Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Cultura

Centro Mulheres de Barros recebe mais de mil visitas em pouco mais de dois meses de inaugurado

A manutenção do espaço conta com recursos e apoio do Ministério da Cultura e também da Vale, por meio da Lei Rouanet. Mas, a principal fonte de renda é a venda das peças produzidas. Em contrapartida, a cooperativa realiza atividades de educação patrimonial, dentro e fora do Centro.

Inaugurado em 12 de novembro de 2016, o Centro Mulheres de Barro de Exposição e Educação Patrimonial Serra dos Carajás já registrou em seus controles mais de mil visitas realizadas até o início de fevereiro de 2017. A maior parte dos visitantes são estudantes, mas tem também outras pessoas da comunidade que se interessam em conhecer o melhor espaço cultural de Parauapebas até então.

O espaço tem recebido visitantes até mesmo de fora do município, como o grupo de universitários de cursos de Comunicação de vários lugares do Brasil, trazido pela Vale, no início de fevereiro. Além de apreciar as peças e conhecer um pouco da trajetória da Cooperativa dos Artesãos da Região de Carajás – Mulheres de Barro, os alunos participaram de uma palestra e prestigiaram apresentações de Carimbó.

Eventos como o Sarau Cultural, também realizado no início de fevereiro, atraem público para o espaço. “Há um projeto, em parceria com o escritor Paulo Poeta, de realizarmos aqui, aos domingos, um Clube do Livro, para os filhos dos feirantes e também para as crianças trazidas pelos clientes que vem comprar no mercado municipal durante a feira de domingo de manhã”, informou Sandra dos Santos Silva, coordenadora do Centro.

O espaço é aberto ao público das 9 às 18 horas durante a semana, e aos feriados e fins de semana das 10 às 17 horas, e fica localizado à Alameda Castelo Branco, quadra 187, lote 107, ao lado do Mercado Municipal, no bairro Rio Verde. O Centro é de propriedade da Cooperativa que conta com 20 cooperados e atuam no segmento há dez anos. Até o fim do ano os visitantes poderão prestigiar a Exposição Mulheres de Barro: Identidade e Memória.

Entre as peças produzidas no Centro Mulheres de Barro estão esculturas, objetos de decoração e utilitários, como panelas, bules e xícaras, feitas de barro, além de quadros de artistas locais. Em algumas peças são registradas imagens arqueológicas que foram encontradas nas cavernas e grutas da Serra dos Carajás, registradas há cerca de seis mil anos.

“Aprendemos o grafismo patrimonial da nossa região durante oficinas com professores de Belém, trazidos pela Vale. A gente reproduz toda essa riqueza em nossas peças. Parauapebas ainda não tem noção da importância cultural desse projeto” afirmou uma das cooperadas mais antigas, Neuza Kluck, que tem 72 anos.

Além de registrar nas peças essas imagens que fazem parte da história da região de Carajás, algumas delas têm em sua composição minério, reforçando ainda mais a singularidade da produção cultural. “Na pigmentação de algumas peças utilizamos o minério de Ferro e o Manganês”, informou Flora Maria Pereira, de 62 anos, atual presidente da Cooperativa.

A manutenção do espaço conta com recursos e apoio do governo federal, por meio do Ministério da Cultura, e também da Vale, por meio da Lei Rouanet, mas, a principal fonte de renda é a venda das peças produzidas. Em contrapartida, a cooperativa realiza atividades de educação patrimonial, dentro e fora do Centro. “Realizamos ao longo da semana passada uma oficina com mulheres na Palmares. Foi muito produtivo. Aquelas que se identificarem e se interessarem, podem vir participar da cooperativa”, informou a presidente.

Mulheres de Barro, como tudo começou

Os fundadores da Cooperativa são oriundos do artesanato. No início não contavam com uma estrutura bem organizada, como hoje existe no Centro. A partir da participação em eventos e feiras, perceberam que seu produto precisava ser melhorado, principalmente no aspecto comercial. “Observamos que nossos produtos não tinham valor agregado, não tinham uma identidade. Eram apenas artes manuais. Isto ficou mais claro quando participamos de uma feira em Belém e vimos vários produtos sendo comercializados e os nossos sem saída. Faltava uma referência da nossa região”, informou Sandra dos Santos.

               Dona Flora, presidente da Cooperativa

“Identificamos, então, que em Canaã dos Carajás a Vale desenvolvia um projeto de educação patrimonial muito interessante. Tivemos a oportunidade de participar e entendemos que era aquilo que nos faltava. Conseguimos trazer o projeto para Parauapebas e passamos seis anos em qualificação. Então, levantamos um questionamento: moramos em um município que é celeiro de biodiversidade e matéria prima, cerca de 80% do seu território é de reserva natural que não é utilizada de maneira alguma por nós, produtores de artesanatos. Com essa reflexão e com os conhecimentos adquiridos nas capacitações começamos a desenvolver a identidade do nosso produto, que tem como objetivo difundir a identidade cultural da região, além de gerar emprego e renda” acrescentou a coordenadora do Centro.

Deixe uma resposta