Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Como foram distribuídos os recursos em Parauapebas

Está no Portal da Transparência da Prefeitura Municipal de Parauapebas, a informação de que a despesa do município nos quatro primeiros meses de 2010, no valor total de R$121.252.399,80 (cento e vinte e um milhões, duzentos e cinquenta e dois mil, trezentos e noventa e nove reais e oitenta centavos ), foram assim distribuídos:

Câmara Municipal

1.407.436,10

Gabinete do prefeito

8.618.441,16

Secretaria da Mulher

1.043.863,03

Secretaria de Planejamento

371.840,96

Secretaria de Cultura

1.034.032,72

Secretaria de Desenvolvimento

401.265,91

Procuradoria Geral

677.964,21

Secretaria de Esporte e Lazer

824.205,53

Secretaria de Administração

2.479.346,82

Secretaria de Fazenda

11.799.026,74

Secretaria de Serviços Urbanos

11.992.637,56

Secretaria de Meio Ambiente

707.043,63

Secretaria de Obras

19.162.583,25

Secretaria de Produção Rural

2.879.679,13

Secretaria de Educação

5.736.205,79

Fundo Municipal de Educação

31.140.143,64

Fundo Municipal de Saúde

18.265.221,92

Secretaria de Saúde

4.500,00

Fundo de Assistência Social

2.226.553,91

Secretaria de Assistência Social

6.477,82

Fundo dos Direitos da Criança e Adolescente

25.351,98

Secretaria de Habitação

415.009,03

Fundo Municipal de Habitação e Inter. Social

33.568,56

T O T A L

121.252.399,80

É importante salientar que a PMP vem descumprindo a Lei com relação ao anúncio dos números. As informações devem ser colocadas on line, tanto receita, quanto as despesas e devem também ser discriminadas de forma que qualquer pessoa consiga entendê-la.

A receita no mesmo período foi de R$170.046.567,01 (cento e setenta milhões, quarenta e seis mil. quinhentos e sessenta e sete reais e um centavo).

Conheça a Lei da Transparência

[ad code=1 align=center]

Comentários ( 11 )

  1. Sou leigo em contabilidade pública, porisso pergunto, o que é Fundo Municipal de Saúde para receber R$. 18.265 mil e a Secretaria de Saúde R$. 4.500,00 ?. A mesma pergunta para o Fundo Municipal de Educação que recebeu R$ 31.140 ? isso é aplicado em prol da comunidade ?, se for, onde?. Porque essas áreas estão um caos aqui em Parauapebas. Essa transparência não deveria individualizar as aplicações dos recursos ?. Que alguem, me responda por favor.

  2. É interessante como a SEMOB gasta mais que a Saúde, agora entendí porque o Hospital está essa maravilha que todos conhecemos. Fizeram o prédio da prefeitura, mas o hospital que deveria ser prioridade está abandonado assim como o Complexo Altamira.
    A cidade faz jus ao nome que a Globo deu a ela “PARAUAPEBAS A FAVELA”.

  3. quero aproveitar que muita gente vai ler esse assunto e chamar a atenção para o seguinte: esse nosso governo burro, que tudo funciona na base do IMPROVISO, e que persegue a tudo e a todos tem que aprender que até o adversário a gente tem que respeitar. o que estão fazendo com o VALMIR da INTEGRAL é um absurdo, O Ernandes Margalho NÂO libera nota fiscal pra Empresa INTEGRAL e a prefeitura deve mais de um mihao de reais pro Seu Valmir.
    Vejam voces que absurdo, isso não é nem estratégia, é burrice mesmo, que maldade Margalho, que maldade Darci. QUE VERGONHA TER COLOCADO VOCES NO PODER.

  4. Zé…

    tô postando texto de O Globo sobre a cassação do governador do DF, conforme combinamos ontem.

    Abraços,

    Leo

    TRE-DF cassa mandato de Arruda por infidelidade partidária
    16/03 às 23h58 Evandro Éboli e Carolina Brígido – O Globo; DFTV; Valor Online

    BRASÍLIA – O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) cassou na noite desta terça-feira, por quatro votos a três, o mandato do governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), preso desde 11 de fevereiro. O presidente do TRE-DF, desembargador Lecir Manoel da Luz, deu o voto de minerva, quando o julgamento estava empatado em 3 a 3.
    A maioria dos desembargadores concordou com a tese do Ministério Público Eleitoral, de que Arruda deveria ser cassado por infidelidade partidária. De acordo com o Ministério Público, o mandato de um político, inclusive o de governador, pertence ao partido. Arruda se desfiliou do DEM para escapar da expulsão.
    Acusado de envolvimento no esquema de corrupção do governo do DF, em dezembro de 2009, Arruda alegou que ele deixou o DEM no fim do ano passado por “grave discriminação pessoal”. A tese da defesa é que dirigentes nacionais do partido declararam publicamente que o queriam fora da legenda por causa do escândalo batizado de mensalão do DEM.
    O ministério público eleitoral entrou com uma ação de infidelidade partidária, alegando que o governador afastado saiu do partido sem justificativa. Para o TSE, apenas quatro situações são consideradas como justa causa para que o político não perca o mandato: incorporação ou fusão do partido; criação de novo partido; mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; e grave discriminação pessoal.
    O ex-secretário de Relações Institucionais do DF Durval Barbosa, que fez as denúncias sobre o esquema do mensalão do DEM, divulgou vídeos que mostram distribuição de dinheiro a políticos. O próprio Arruda aparece recebendo um maço de notas, em 2006, quando era candidato a governador.
    A advogada de Arruda, Luciana Bosio, afirmou que entrará com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo Luciana, será necessário esperar a manifestação do TSE para esclarecer se Arruda perde o foro privilegiado e o processo em que é réu sai do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e passa a ser julgado na primeira instância.

  5. vou contar para vocês a lenda do mini prefeito de uma terra chamada Parauapebas:

    Era uma vez, em uma cidade tão tão distante chamada Parauapebas, depois do frio congelante e do deserto escaldante… Era uma cidade onde tudo era feito de metal e onde a prosperidade deveria reinar absoluta.
    Bom, meninos e meninas, eu digo que “DEVERIA” reinar porque desde que o “mini-prefeito” assumiu o controle, junto com sua gangue de sanguessugas, a cidade se tornou um caos completo. Haviam rumores de que em algumas pacatas vilas que formavam o reino de metal como era conhecida a cidade, pessoas morriam em plena praça pública por falta de cuidados e negligencia extrema dos que participavam da corte (a grande maioria, cavaleiros da távola em forma de estrelinha vermelha) e que deveriam cuidar do povo desprotegido do reino.
    Bom, enquanto o mini-prefeito enriquecia e enriquecia os seus vassalos, o povo padecia por falta de saúde, moradia digna e emprego, o que começou a exaltar os ânimos e fez com que o pequeno imperador (outrora educador), começasse a sentir o frio que o risco de ser retirado do poder causa a um infante e momentâneo soberano.
    Amanhã tem mais….
    (é uma boa blog novela? rs)

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!