Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Seguro Defeso

Mais de 400 pescadores marabaenses reclamam de atraso do Seguro Defeso

Presidente da Colônia de Pescadores Z-30 diz que deu entrada em novembro passado no INSS, mas até agora os 430 associados não foram incluídos no sistema de pagamento

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

Pescadores de Marabá ligados à Colônia Z-30 reclamam de atrasos no pagamento do seguro-defeso 2016/2017. O benefício é pago em quatro parcelas, de um salário mínimo cada, durante os quatro meses da Piracema, quando as atividades de pesca são proibidas. Aqui na região do Rio Tocantins, o fenômeno da Piracema acontece entre os meses de novembro e fevereiro, e o temor dos pescadores se repetiu: até agora os pagamentos não foram realizados corretamente.

“Até hoje tem pescador que não recebeu nenhuma parcela do ano passado. É uma situação muito complicada, porque tiramos o nosso sustento disso, da pesca. Nessa época do ano, não podemos trabalhar, porque a fiscalização vem e toma todo o nosso material”, desabafa o pescador Francisco Ribeiro.

Para tentar manter as vendas, os pescadores precisam apelar para o comércio de peixes criados em cativeiro, o que representa prejuízos financeiros para quem depende da atividade. “Mesmo que a gente queira pescar, nessa época é mais difícil conseguir pegar algum peixe, porque eles estão desovando e ficam escondidos. Esse dinheiro do seguro deveria servir para manter a nossa família nesse período, mas, todos os anos, chega atrasado. O que um pai de família vai fazer? ”, questiona o pescador.

Éden da Silva Dias, pescador há mais de 14 anos, assim como outros na mesma condição, diz que recorre a pequenos “bicos” para sobreviver. “Estou parado, remendando rede para os outros. A situação fica difícil, porque até agora não recebemos esse dinheiro”, desabafou.

Já o pescador Raimundo Nonato, que trabalha há 38 anos na pesca no Rio Tocantins disse que ainda não recebeu o último seguro-defeso e que está vivendo de ajuda de alguns amigos e familiares. “Não tenho mais mulher, ela morreu, e meus filhos estão me ajudando enquanto aguardo o seguro”, diz.

Há 17 anos morando na Marabá Pioneira, Raimundo alega que não sabe fazer outra coisa da vida. “Uma vez eu pesquei aqui [durante o período de defeso] e acabei sendo pego pela fiscalização, que me aplicou uma multa de mais de R$10 mil”, relata.

Samara Fernanda Coelho de Souza, presidente da Colônia de Pescadores Z-30 disse que em novembro do ano passado deu entrada no processo dos 430 pescadores da Z-30 na superintendência do INSS, em Belém, e que até agora a lista ainda não foi colocada no sistema. “O INSS diz que os funcionários do órgão designados para essa função ainda não retornaram do recesso de fim de ano”, informou.

Deixe uma resposta