Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!

Mulher acusada de falso testemunho em processo eleitoral é presa em Curionópolis.

A eleição municipal de 2012 ainda rende em Curionópolis, e nesta quinta-feira, 27, houve uma audiência de instrução e julgamento em um processo em que a coligação “Unidos pela democracia e liberdade” (PPS / DEM / PSB / PSDB / PSD), derrotada nas urnas e encabeçada por Adonei Souza Aguiar (DEM) e Manoel Zacarias (PSB) move contra o prefeito reeleito Wenderson Chamon (PMDB).

Presa em Curionópolis

Durante a audiência, presidida pelo juiz eleitoral Danilo Alves Fernandes, da 58ª Zona Eleitoral, a testemunha Rosana Borges dos Santos, residente na Vila Alto Bonito, na Zona Rural de Curionópolis, recebeu voz de prisão acusada de cometer crime de falso testemunho. É que durante seu depoimento, de aproximadamente uma hora, a testemunha teria se confundido várias vezes e entrado em contradição em relação aos horários, datas e nomes, chegando a não mais dar conta de responder as perguntas formuladas pelo juiz em relação à denúncia. A testemunha foi enquadrada no artigo 342 do Código Penal e encaminhada à delegacia de Polícia Civil onde prestou novo depoimento e, após o pagamento de uma fiança arbitrada em um salário mínimo foi liberada para responder o processo em liberdade.

Wenderson Chamon venceu as eleições municipais com 7.717 votos (61,46% dos votos válidos).  Magno da Cooperalt foi o vereador mais votado ao obter 692 votos (5,33% dos votos válidos). 

A denúncia

Rosana Borges dos Santos teria informado à Coligação Majoritária encabeçada por Adonei Aguiar que, pouco antes do pleito eleitoral de 2012  teria sido procurada em sua residência pelo então candidato a vereador Magno da Cooperalt e que este teria lhe oferecido um emprego em uma escola municipal. Segundo Rosana, para obter o emprego oferecido, bastava que ela declinasse seu voto a ele para o cargo de vereador e para o prefeito Wenderson Chamon, apoiado por ele.  A Coligação entrou com um ação de investigação judicial eleitoral (Autos 27990.2012.614.0058) por capitação ilícita de votos e solicitando a cassação do registro do candidato Wenderson Chamon e ainda que fosse declarada sua inelegibilidade.

Até o fechamento dessa postagem, o juiz eleitoral ainda não havia decidido se dará ou não sequência à Ação de Investigação Judicial Eleitoral, todavia, em virtude do falso testemunho, ela deve ser arquivada.

Procurado para comentar o ocorrido durante a audiência e a ação movida contra si o prefeito Chamon preferiu não comentar o fato por questões de ética do cargo, já que o processo ainda tramita na Zona Eleitoral.

Comentários ( 3 )

  1. “taí” a solução para o Brasil,prender tudo que for mentiroso,não vai sobrar nem um político na praça,quero ver magistrado se auto sentenciando também…vai faltar cadeia!!!
    fica aqui uma sugestão,que tal verificar quem mentiu mais,essa senhora ou o prefeito eleito com suas promessas de campanha.

Deixe uma resposta