Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Agricultura

Pará pode se tornar maior produtor de cacau do Brasil até 2023.

Hoje o Pará é o segundo maior produtor do fruto no Brasil, mas com a implantação do Programa Estadual de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Cacau, a produção vem crescendo

Considerado valioso e até usado como moeda de troca em outros tempos, o cacau mostra que ainda move a economia no estado do Pará, atualmente, o segundo maior produtor do fruto no Brasil. Matéria-prima do chocolate, o cacau marcou a história do país, que já foi o 3º maior produtor mundial. Foi no sul da Bahia que o cacaueiro se desenvolveu melhor por conta das condições do solo e do clima. Durante muitos anos, as fazendas de cacau tiveram destaque na economia nacional, mas em 1989, a praga vassoura-de-bruxa quase devastou a produção e trouxe efeitos socioeconômicos e ambientais severos para as zonas de cultivo.

Entre as safras 1990 e 2000, a produção caiu na Bahia, por exemplo, de 356 mil para 98 mil toneladas. Graças à tecnologia, foi possível controlar a praga e desenvolver variedades mais tolerantes ao fungo. Hoje em dia, o cacau prospera em outros locais, como São Félix do Xingu, no Pará, onde, além de se tornar um motor econômico para a região, ajuda a reflorestar a Amazônia perdida para a pecuária. O Pará tem o maior índice de desmatamento da Amazônia Legal, com 3.025 quilômetros quadrados, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e São Félix do Xingu possui o maior rebanho do país, com mais de 2 milhões de cabeças de gado. Para lutar contra o desmatamento nas áreas de pasto, a ONG The Nature Conservation (TNC) lançou em 2012 a inciativa Cacau Floresta para combater o desmatamento da região através da agricultura familiar, restaurando assim as áreas degradadas com espécies nativas aliadas à produção do cacau

“Foi identificada uma oportunidade de trabalharmos com a lógica de produzir cacau em áreas consolidadas, principalmente pastos ruins ou degradados, plantando em sistemas agroflorestais para melhorar a renda e, ao mesmo tempo, viabilizar uma restauração produtiva de uma área degradada usando sementes híbridas”, explicou, durante uma visita de campo ao Sítio Santa Rosa – participante da iniciativa -, Rodrigo Freire, biólogo e coordenador do Projeto Cacau Floresta e vice-coordenador de Estratégia de Restauração da TNC Brasil.

Até 2016, o projeto elevou em cerca de 30% a renda das famílias que já vivem da venda de amêndoas de cacau a partir de um modelo de produção sustentável do fruto e ajudou a restaurar 160 hectares de florestas em Áreas de Preservação Permanente (APP). Ao todo, os pequenos produtores do projeto já cultivam 312 hectares em Sistemas Agroflorestais (SAFs), como são conhecidos os métodos de cultivo em que diversas espécies nativas dividem espaço com produtos agrícolas, de maneira que a área seja produtiva, mas mantendo um nível considerável de serviços ambientais gerados pela floresta, como biodiversidade e sequestro de carbono.

Até 2023, a organização estima que a área de cultivo do cacau no âmbito do projeto tenha atingido 5 mil hectares, sendo pelo menos 2 mil em áreas de APPs restauradas. “O cacau gera uma renda relativamente elevada, por causa da demanda global muito forte, e traz maior qualidade de vida ao agricultor familiar, pois é um fruto que cresce na sombra e isso aumenta o conforto climático no ambiente de trabalho, ainda viabilizando a conservação e a restauração florestal”, argumentou Freire. No contexto estadual, o cacau deve ganhar cada vez mais relevâncias econômica, social e ambiental.

O governo do Pará definiu, em 2011, a cacauicultura como uma das prioridades da política agrícola estadual e elaborou, em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC), o Programa Estadual de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Cacau. Espera-se que até 2023, o Pará tenha se tornado o maior produtor de cacau no Brasil, superando a Bahia, historicamente líder do ranking. Expandir a produção do fruto é também parte da estratégia do governo do estado para alcançar as metas do plano Pará 2030, que incluem duplicar o PIB per capita e reduzir a desigualdade de renda entre as famílias.

Por Janaína Quinet – UOL

Deixe uma resposta