Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Pará

Polícia Civil prende em Parauapebas ex-prefeito mineiro acusado de abusar sexualmente adolescentes em MG

A Polícia Civil do Pará localizou e prendeu, nesta quinta-feira, 31, em Parauapebas, sudeste do Pará, o pecuarista mineiro Joel da Cruz Santos, 76 anos, ex-prefeito do município de Taiobeiras (MG). Ele é foragido da Justiça mineira desde outubro do ano passado, quando teve mandado de prisão preventiva decretado por crime de estupro de vulnerável. Santos foi condenado pela Justiça mineira, em 2010, por ter pago adolescentes para fazer sexo. Joel permanece preso em Parauapebas à disposição da Justiça de Minas Gerais, para onde será transferido para responder pelo crime. A prisão foi realizada por policiais civis da Seccional de Parauapebas em conjunto com o Núcleo de Apoio à Investigação de Marabá, após troca de informações com o Setor de Inteligência da Polícia Civil mineira.

Taiobeiras, cidade onde ocorreram crimes

Taiobeiras, cidade onde ocorreram crimes

Segundo o delegado Gabriel Costa, diretor da Seccional de Parauapebas, a ordem de prisão foi expedida pelo juiz Marcelo Bruno Duarte e Araújo, da 1ª Vara Única da Comarca de Taiobeiras (MG). O pecuarista, que foi prefeito da cidade em três períodos durante mais de 20 anos, foi localizado no interior de sua propriedade, de 530 alqueires, situada na zona rural de Parauapebas. Além dele, segundo informações da Justiça mineira, Rosângela de Paula Cardoso de Oliveira, mãe de duas crianças que teriam sido abusadas pelo ex-prefeito, está com prisão decretada no mesmo processo criminal.

A mulher é  acusada de aliciar os próprios filhos adolescentes à prostituição e de entregá-los ao ex-prefeito para serem abusados sexualmente. Durante as investigações, em outubro do ano passado, a Polícia Civil mineira junto com o Ministério Público de Minas estiveram na então casa do acusado, em Taiobeiras, onde cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do acusado, mas ele não estava na residência. A prisão preventiva foi decretada depois que o Conselho Tutelar e o Centro de Referência em Assistência Social de Minas Gerais coletaram depoimento de uma criança de dez anos que acusou a própria mãe – Rosângela de Oliveira, de aliciá-la a se prostituir.

O ex-prefeito foi acusado de abusar da criança de dez anos e da irmã dessa criança, de cinco anos, ambas filhas de Rosângela. As vítimas teriam sido levadas para a casa do político, onde teriam sido obrigadas a manter relações sexuais em troca de pagamento. Uma outra mulher também foi acusada de fazer parte do esquema e de aliciar duas garotas de 10 e 12 anos à prostituição. Uma das vítimas revelou na época que o político seria um de seus clientes nos programas sexuais. (PC-PA)

Comentários ( 2 )

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!