Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Rio Tocantins chega a 12 metros e número de famílias desabrigadas passa para 1.700

Maior enchente da década muda rotina da Velha Marabá e autoridades são obrigadas a criar mais abrigos
Continua depois da publicidade

Já são 1.700 famílias que abandonaram suas casas nos últimos 60 dias em Marabá por causa da cheia dos rios Tocantins e Itacaiunas. Há possibilidade de ainda na noite de hoje esse número alcançar 2.000 famílias, ou cerca de 8.000 mil pessoas.

Na manhã de hoje, o nível do rio alcançou a marca de 11,94 metros acima do nível normal, mas agora no final da tarde desta sexta-feira, 13, já chegou a 12 metros. Algumas zonas da cidade estão alagadas, principalmente parte do Bairro Santa Rosa, bairro independência e Liberdade e parte do núcleo São Félix, além da orla que está parcialmente inundada.

Segundo a Prefeitura, a Defesa Civil está expandindo alguns abrigos e criando novos pontos para atender a população desalojada. Todos estão recebendo água mineral, cestas básicas, kits de higiene pessoal, gás de cozinha e assistência médica. Ao todo, 22 caminhões estão em ação fazendo o transporte dessas famílias, incluindo veículos do Exército, Bombeiros e caminhões alugados pela prefeitura. Cerca de 200 pessoas estão envolvidas na operação.

Com o volume de água subindo cada vez mais, atualmente estão sendo retiradas em média 120 famílias por dia, que são levadas para abrigos ou casa de parentes. Mas nas contas do Corpo de Bombeiros, apenas 450 famílias estão em abrigos oficiais da Prefeitura, enquanto outras estão em casas de parentes.

Há ainda centenas de famílias no Bairro Santa Rosa que não abandonaram suas casas. Elas construíram sobrado, levaram todos os móveis para o andar de cima e se deslocam com ajuda de canoas para acessar ruas onde não há água. É o caso da Avenida Silvino Santis e Avenida Pará, onde há mais de 100 famílias nessas condições. “A gente sabe que sempre há riscos. Aparecem cobras, mas a gente fica aqui mesmo porque o desconforto de ir para abrigos é muito grande”, destaca José Arimateia da Luz, morador da casa número 1.109, na Avenida Pará.

Deixe uma resposta