Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Assaltante enviou mensagem à mãe e morreu minutos depois

Baleado durante tentativa de assalto, ele se embrenhou no mato, mas não resistiu aos ferimentos
Continua depois da publicidade

Eduardo Pinheiro da Silva, 18 anos, morreu por volta das 13h30 de ontem, domingo (29), após ter sido baleado em uma tentativa de roubo no Bairro Alvorada. Não se sabe ao certo quem ou o que ele mais dois comparsas tentaram assaltar, mas houve reação e dois deles foram baleados pela vítima ou mesmo por populares, enquanto o terceiro escapou ileso. O rapaz ainda chegou a enviar uma mensagem pelo celular, à família, avisando que estava ferido, mas, depois, silenciou para sempre.

De acordo com o sargento Magalhães, da Polícia Militar, que esteve no local em que Eduardo foi encontrado já sem vida, a tentativa de assalto se deu na Rua 6. O PM informou ainda que o outro assaltante ferido não deu entrada no Hospital Municipal ou em outra casa de saúde da cidade.

Um tio de Eduardo, que se identificou apenas como Manoel, contou que, entre 13h30 e 14h, o assaltante que conseguiu fugir ligou para a namorada de Eduardo contando que ele estava morto e o outro comparsa estava baleado dentro do mato.

Veja também:  Assaltante da tipoia é preso com celulares em Jacundá

A família entrou em desespero, mas, minutos depois, o próprio Eduardo passou uma mensagem para o celular da mãe, Márcia, informando que estava ferido. Os parentes ainda tentaram ligar para ele, mas não conseguiram. Imaginando que ele estava sem recarga no celular, colocaram créditos, tentaram novamente, mas o jovem não atendeu.

Com a indicação dada pelo terceiro indivíduo, os familiares começaram a fazer uma busca, mas, quando conseguiram localizá-lo, por volta das 19h30, ele já estava morto no meio do mato.

Eduardo da Silva morava no Bairro dos Minérios, não estudava nem trabalhava, era sustentado pela mãe e tinha passagem pela polícia pelo crime de furto. Segundo o tio, ele já havia sido advertido e aconselhado muitas vezes pelos familiares a deixar a vida do crime. “Nós sempre dissemos a ele que o fim de quem escolhe esse caminho é a cadeia ou o cemitério e, agora, está aí…”, lamentou Manoel.

Reportagem: Ronaldo Modesto

Deixe uma resposta