Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Vigia da Fazenda Cedro é baleado em ataque três meses após a propriedade ter sido desocupada

A fazenda está sendo reconstruída após ter ficado oito anos ocupada pelo MST, quando foi totalmente destruída
Continua depois da publicidade

Por Eleutério Gomes – Correspondente em Marabá

A Fazenda Cedro, localizada na Rodovia BR-155, a 30 quilômetros de Marabá, foi alvo de um ataque na noite de ontem, sexta-feira (23), por volta das 22h45. A propriedade, que pertence à Agro Santa Bárbara (AgroSB), ficou ocupada por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) durante oito anos. Em novembro do ano passado, foi desocupada por força de Ação de Reintegração de Posse, mas ali não havia mais gado, máquinas, casas, tratores nem implementos: tudo foi destruído pelos invasores. Atualmente, a propriedade está sendo reconstruída.

De acordo com a Assessoria de Comunicação da AgroSB, como já era tarde da noite, poucos funcionários estavam na propriedade, que está em obras. De repente, um dos vigias, cujo nome não foi informado, foi alvo de tiro no pé, quando estava na portaria da fazenda, assim como um dos veículos da empresa. Uma queima de fogos de artifício antecedeu os disparos de arma de fogo. Entre cinco e dez pessoas teriam participado da tentativa de invasão.

Veja também:  Integrantes do MST tentam invadir propriedade rural mas são expulsos a bala

Imediatamente, o vigia, que pertence a uma terceirizada, foi encaminhado ao Hospital Municipal de Marabá, enquanto, por volta da meia noite, o gerente registrou Boletim de Ocorrência na 23ª Seccional de Polícia Civil, relatando o ataque ao delegado William Lopes Crispim.

Segundo a Ascom da AgroSB, a “empresa aguarda providências das autoridades para coibir novas tentativas de invasão à Fazenda Cedro, que no período em que esteve invadida pelo MST sofreu diversos ataques: matança de gado, ameaça e sequestro de funcionários, casas e máquinas agrícolas incendiadas, escolas depredadas, cercas, currais e pastos destruídos”.

Deixe uma resposta